Decisão de Marco Aurélio gera onda de críticas de integrantes do MPF

Carlos Fernando dos Santos Lima, que deixou o grupo da Lava Jato em Curitiba em outubro, afirmou que o ministro "dá a Lula um presente de Natal"

Integrantes do Ministério Público Federal, inclusive os procuradores que fizeram ou fazem parte das forças-tarefas da Lava Jato, criticaram nas redes sociais a decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurelio que determinou a soltura de presos após 2ª instância. Essa determinação afeta a execução da pena do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba desde abril.

> Ministro do STF manda soltar presos condenados em 2ª instância; decisão beneficia Lula

> Lula pede liberdade 48 minutos após decisão de Marco Aurélio

Carlos Fernando dos Santos Lima, que deixou o grupo da Lava Jato em Curitiba em outubro, afirmou que o ministro "dá a Lula um presente de Natal", "só que às custas da crença da população na Justiça".

Membro da força-tarefa paranaense, Roberson Pozzobon disse que há "alegria no cárcere", mas "imensa tristeza para a sociedade brasileira".

"Marco Aurélio quer instaurar o pandemônio!!! Afundar de vez a imagem da corte", exclamou o coordenador do núcleo de combate à corrupção da Procuradoria da República no Rio Grande do Norte, Fernando Rocha.

O procurador regional Vladimir Aras, que fez parte do grupo da Lava Jato à época da gestão de Rodrigo Janot na Procuradoria-Geral da República, chamou a determinação de "manifestação da síndrome - a das decisões monocráticas - que vem destruindo a credibilidade do STF". "Os juízes julgam o povo, mas é o povo que julga a justiça dos juízes", disse.  "O ministro Marco Aurélio concedeu uma liminar em ADPF [arguição de descumprimento de preceito fundamental] que atingirá incontáveis processos penais no país inteiro", afirmou Aras. "Nem ele sabe quais, mas isso não importa. Isto às vésperas do recesso judiciário. O motivo de assim decidir não está na fundamentação, mas o resultado todos podem ver."

Janice Ascari, da força-tarefa da Lava Jato em São Paulo, disse: "libertou geral". "Mais um caso de desrespeito monocrático às decisões do Plenário do STF com repercussão geral."

O procurador Lucas Gualtieri lembrou a fala do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente eleito Jair Bolsonaro, sobre a possibilidade de fechar o Supremo.
"'Em Brasília, procuram por um cabo e um soldado', diz leitor", publicou. 

Você tem interesse em receber mais conteúdo do Brasil?