Ceará: só a água não resolve

Se a água fosse o principal fator de desenvolvimento do Nordeste, os estados mais ricos da região seriam o Maranhão, o Piauí e as Alagoas, que estão, porém, entre os mais pobres. Assinado, José Maria Pimenta, engenheiro agrônomo, ex-presidente da Empresa de Assistência Técnica Rural do Ceará (Ematerce) e um estudioso das questões ligadas ao semiárido nordestino. Pimenta é didático ao resenhar sua tese: "Olhemos para dentro do Ceará. O município de Quixeramobim é a boca aberta do sertão seco, mas é o maior produtor de leite do Estado, com 200 mil litros diários. Pois lá em Quixeramobim, os assentamentos que menos se desenvolveram foram o Belo Monte e o Posto Agropecuário, rodeados de muita água da barragem que dá nome ao Município". Conhecedor da agricultura de vários países, incluindo a da China, onde passou quase um mês quando presidia a Ematerce, José Maria Pimenta ensina com a propriedade de quem entende do riscado: o segredo de Quixeramobim - que é o mesmo que se anota noutras áreas produtoras de leite, como Madalena e a Chapada do Apodi - está no uso racional da água, na silagem de volumosos e no correto manejo do rebanho. Ele anuncia: "Há neste momento uma revolução em marcha na pecuária do sertão central cearense, e ela é feita pelos jovens que estão saindo dos Centecs (Instituto Centro de Ensino Tecnológico, uma maravilhosa invenção de Ariosto Holanda) e das escolas de ciências agrárias e que enveredam, com ousadia, pelo empreendedorismo rural". Pimenta finaliza, filosofando: "Um conhecimento só vira cultura de um povo depois de 20 anos, isto é, depois de uma geração". Aguardemos!

Otimismo

José Hugo Machado, um cearense que há 55 anos trocou Fortaleza por Lisboa, onde fez fortuna restaurando prédios antigos, dedica-se hoje exclusivamente à hotelaria. Dono da rede de hotéis Luzeiros de Fortaleza, São Luiz, Recife e Lisboa, ele, aos 87 anos, tem a aparência de 70, mantida graças ao que sempre fez: ginástica e pedaladas diárias. "Estou otimista com Portugal e muito otimista com o Brasil", diz ele à coluna.

Incentivo

Lei 13.799, que trata de incentivos fiscais para o Nordeste, ampliou por mais 5 anos o prazo para as empresas - e não pessoas físicas, como aqui foi dito - solicitarem o benefício da redução do IR. Se concedido, o prazo vige por 10 anos.