Manter ministro da Educação no cargo é premiar a incompetência

Abraham Weintraub não mostrou nada de efetivo além de um volumoso conjunto de polêmicas vazias; crise na correção do Enem deveria ser estopim

Até quando o trem desgovernado do Ministério da Educação vai prosseguir sua rota de confusão sob o comando do maquinista Abraham Weintraub? O tempo que lhe foi concedido à frente de uma das pastas mais relevantes da administração federal é mais que suficiente para depreender que o ministro é desabastecido das características imanentes a um bom gestor.

Ficou claro, desde o início, que Weintraub ocuparia o cargo por mera estratégia ideológica, uma vez que sua usina de polêmicas vazias sempre funcionou em capacidade máxima, como na vez em que afirmou, de forma generalista e sem embasamento factual, que as universidades públicas servem de terreno para plantações de maconha. 

Declarações do tipo são calculadas e servem para manter aquecidas as bases mais apaixonadas do bolsonarismo e para conservar a guerra de discursos com a esquerda, a qual, como já dito aqui outro dia, é capitalizada por ambos os lados.

Contudo, basta um olhar razoavelmente distanciado dessa celeuma frívola de antagonistas para cobrar do MEC mais do que verborragia. E o anseio por medidas concretas deveria partir até mesmo de apoiadores do Governo.

A esta altura, não há alicerce pragmático ou técnico que respalde a condução da Educação. 

Nenhum CEO de grande empresa ou técnico de futebol de clube tradicional sobreviveria apenas com falatório, sem apresentar bons resultados na prática. Mais além: imaginemos, hipoteticamente, que Paulo Guedes, ministro da Economia, se limitasse a fabricar controvérsia com declarações sem embasamento e fosse uma figura inerte nas questões mais relevantes da pasta gerida por ele. Não demoraria muito para que o mercado financeiro pressionasse por sua demissão, não é mesmo?!

Para além do blá-blá-blá na Educação - ou balbúrdia, como colocaria o ministro -, houve falha grave na correção do Enem, a qual gerou uma onda de queixas de estudantes e ações na Justiça. Desta vez, o caos no exame não foi ocasionado por quadrilhas fraudulentas. Foi um erro interno. E a forma como o ministro vem lidando com a crise é, para dizer o mínimo, questionável. Nos últimos dias, Weintraub se prestou a atender a pedidos individuais de candidatos do Enem no Twitter, algo que levanta questionamentos sobre a lisura e impessoalidade do processo.

Em vez de gastar energia com temas pouco produtivos, outro assunto no qual a Pasta deveria estar concentrada é o futuro do financiamento da educação básica, que tem deixado prefeitos à beira do desespero. O Fundeb se encerra neste ano e, até agora, não há um plano claro sobre como a base do ensino público se sustentará financeiramente. Executivo e Legislativo ainda tem grandes divergências para sanar no assunto.

Depois de erros graves - e nem vale a pena citar os de português - e diante da carência de resultados qualitativos que possam sinalizar a pavimentação de um bom caminho para a Educação, a manutenção de Weintraub não encontra justificativa plausível.