Matéria-180351

A Amazônia do PT

O Governo Lula abraça mais um tema polêmico, talvez o mais explosivo de todos: a privatização de áreas de florestas em terras públicas na Amazônia que, logo de saída, já sai batizado genericamente de “privatização da Amazônia” e assim deverá permanecer até o final do debate da questão, queira ou não o Governo. Sem entrar no mérito do projeto, se tivesse sido lançado em qualquer outra gestão - inclusive na ditadura - o PT seria radicalmente contra, sem nem pestanejar. Iria às ruas denunciar, faria abaixo-assinados, os militantes mais aguerridos se acorrentariam em árvores e tudo mais que o partido tivesse direito ou não.Tudo para salvar a Amazônia que, agora, no poder, os petistas querem entregar, complacentemente.

Herança traída

O mais triste ainda é que o projeto nasceu no Ministério do Meio Ambiente, onde pontifica uma petista histórica, a ministra Marina Silva, trabalhadora nascida e criada nos seringais do Acre que, no passado recente, já foi citada como herdeira do grande Chico Mendes.

Dedo do Tio Sam

Outro agravante: a proposta tem o patrocínio dos Estados Unidos, histórico defensor da internacionalização da Amazônia, o que, na prática, significaria submeter ao domínio ianque mais da metade do território brasileiro, onde se concentram as mais expressivas riquezas da Nação.

Criou asas. O Flyer que se cuide

Um cão policial farejador morreu de overdose enquanto procurava drogas, em Preston, no norte da Inglaterra. Todd, um “spaniel” de 7 anos de idade, procurava drogas, quando seu treinador notou que não passava bem. Ele foi internado às pressas em uma UTI da Universidade de Liverpool, apresentando sintomas de ter ingerido anfetaminas, mas morreu logo depois.

Desertificação

Começa hoje, em Fortaleza, a Conferência Sul-Americana sobre o Combate à Desertificação, que marca os 10 anos de assinatura da Convenção das Ações Unidas de Combate à Desertificação. Serão discutidas alternativas para o desenvolvimento sustentável das regiões que sofrem com os problemas da desertificação e da incidência das secas.

Convivência

As alternativas serão baseadas na correta utilização dos recursos naturais e na convivência com o semi-árido. Participarão o governador Lúcio Alcântara e os ministros do Meio Ambiente, Marina Silva; da Integração Nacional, Ciro Gomes; da Ciência e Tecnologia, Eduardo Campos, e do Desenvolvimento Social e do Combate à Fome, Patrus Ananias.

Transparência

A Transparência Internacional e a Transparência Brasil alertam sobre decisão iminente do STF, que poderá retirar dos membros do Ministério Público o direito de conduzir investigações. A ‘‘TI’’ é a principal organização não-governamental de combate à corrupção em todo o mundo e a Transparência Brasil, seu capítulo nacional no País. O julgamento está previsto para agosto.

Falando de corda

O que não se pode negar ao candidato do PMDB a prefeito de Fortaleza, Aloísio Carvalho, é coragem. Hoje, quando encerra o prazo para o deputado Sérgio Benevides (PMDB) apresentar sua defesa à acusação de desvio de recursos do Fundef, o candidato peemedebista dá entrevista na Assembléia, para falar sobre merenda escolar.

Pesquisa

Depois de um ano de estudo, pesquisadores da unidade Instrumentação Agropecuária da Embrapa, concluíram ser possível transformar lodo de esgoto doméstico em adubo orgânico. A inovação do processo está no uso combinado de técnicas de compostagem e maturação do lodo, associado a outros resíduos vegetais, para que o produto final tenha qualidade fertilizante sem gerar impactos negativos ao meio ambiente.

Além disso...

NEM AÍ - Com a promessa de que não haverá cortes nos salários, a maioria dos parlamentares ignorou a reabertura dos trabalhos no Congresso Nacional e preferiu esticar as férias. Na Câmara, apareceram apenas 27, dos 513 deputados. No Senado, comparativamente, o quorum foi melhor: 19 dos 81 senadores estiveram presentes.

DINHEIRO FÁCIL - Por causa do período eleitoral, os congressistas vão trabalhar em regime de esforço concentrado. Pelos poucos dias de trabalho, receberão os salários integralmente, o que significa que cada parlamentar vai receber R$ 38.500 para trabalhar menos de dez dias, durante os três meses.