Coronavírus: Cenário grave chegou ao Ceará

Na edição do último dia 7 de abril, há quase um mês, portanto, esta coluna fez um alerta da situação gravíssima que batia à porta do Ceará em relação ao coronavírus. Já naquela data, Fortaleza aparecia como a Capital com maior taxa de incidência da doença, e havia um sinal de alerta. Pois bem. O cenário caótico é exatamente este que estamos vivendo. E olhe que ainda não chegamos ao pico de casos.

As medidas de isolamento social, adotadas ainda em março no Ceará, postergaram a chegada do pico, mas não foram suficientes para conter o crescimento dos casos. Na última semana, caiu consideravelmente a adesão às medidas de restrição, na contramão dos casos registrados e mortes, que só crescem. Sem remédio determinado e sem vacina, dizem os especialistas, não há outra saída, a não ser o distanciamento social. E agora, com regras mais rígidas, com restrição de circulação de veículos e de pessoas em espaços públicos.

Sem opção

Naquela edição, esta coluna alertou também que era responsabilidade de cada um agir para garantir o isolamento, tanto quanto possível, e que essa discussão não era política. Agora, nós podemos ter uma dimensão melhor do agravamento da situação. Os números passaram a ter rostos e a estatística passou a chegar perto das pessoas. Reforçamos: é uma gravíssima crise e agora, mais do que nunca, é necessário cumprir as duras medidas impostas pelo poder público.

Precisa fiscalizar

O poder público, aqui, não fala em "lockdown", mas as medidas adotadas agora, de isolamento social rígido, se assemelham às tomadas por grandes cidades da Europa e dos Estados Unidos. Agora, além de conscientizar, será fundamental fiscalizar para fazer cumprir os decretos editados.

Impasse no Congresso

Com as mudanças promovidas na Câmara, o projeto de socorro a estados e municípios volta para o Senado. A modificação acabou sendo uma derrota para o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que foi o relator e costurou um acordo com o governo. As mudanças geram mais atraso na ajuda aos estados e um impasse no Congresso Nacional.

Olho na eleição

O foco do País está no combate ao coronavírus e há incertezas sobre a realização das eleições. Como por enquanto o pleito esta mantido, o Instituto Cearense de Direito Eleitoral (Icede) realiza live, hoje, às 20h, só para discutir os ilícitos eleitorais na pré-campanha. O advogado André Costa, presidente do Icede, conversa com o promotor Rodrigo López Zilio, do Rio Grande do Sul, professor de Direito Eleitoral. No Instagram @icede.ce.



Assuntos Relacionados