Novela sobre seleção pública de gestores de consórcios está perto de um consenso

 

Já estão perto de virar novela as divergências entre os prefeitos e a Secretaria de Saúde do Estado a respeito da seleção pública para os cargos de comando dos chamados consórcios de Saúde. Hoje, às 17h, deve haver uma reunião conclusiva entre os prefeitos presidentes dos consórcios e a resolução deve ser a seguinte: os prefeitos ficarão com o direito de indicar o diretor geral do consórcio e os outros dois cargos (financeiro e jurídico) devem ser escolhidos por seleção, como quer o secretário Dr. Cabeto. A primeira providência para um acordo com os prefeitos já havia sido tomada: a suspensão das inscrições para a seleção. O site da Escola de Saúde Pública, ontem, já não permitia acesso à página para se cadastrar no certame. Ao que parece, e o que dizem as fontes desta coluna, as partes chegaram a um acordo em relação ao ponto de discórdia que perdurava desde o ano passado. A conferir.

 

Querela

Diante de um grande plano de reestruturação do sistema de Saúde no Estado, parecia uma querela pequena essa da seleção dos cargos nos consórcios de Saúde. O que há de grande desafio nos consórcios para os municípios e o próprio Estado é algo bem maior e esta coluna também já abordou: a ausência de prestação de contas detalhadas, a fiscalização da aplicação dos recursos públicos e dos serviços e a boa distribuição das consultas e vagas de forma equilibrada entre os integrantes dos consórcios para chegar com qualidade à população.

Gestão e compartilhamento

É preciso também, em meio à polêmica, reconhecer que os consórcios são instrumentos importantes para descentralizar serviços e compartilhar a gestão dos recursos públicos entre Estado e municípios. Além do mais, há problemas em alguns consórcios, mas é preciso lembrar que outros têm contas 'no azul' e boa gestão, como os da região de Sobral e do Vale do Curu.

Falta combinar

Muito tem se falado sobre uma possibilidade (mesmo remota) de parceria entre PT e PDT na eleição de Fortaleza. Um leitor assíduo e fonte qualificada desta coluna faz uma pergunta pertinente a respeito deste cenário: "Será que o PDT do prefeito Roberto Cláudio e de Ciro Gomes quer mesmo parceria com o PT na Capital?". Boa pergunta!

Com um olho no peixe e outro no gato está o ex-deputado estadual Gony Arruda. Ele quer voltar com força à política com candidatura a prefeito no município de Granja, governado pelo grupo político de Romeu Aldigueri, primo e desafeto de Gony. Eles se odeiam, mas se não der certo lá, o fã do Flamengo já mira o município de Croatá.

Aliados do presidente Jair Bolsonaro querem que o Governo Federal reforce a comunicação dos atos da gestão na região Nordeste, como forma de melhorar os índices de popularidade do presidente. Alguns apoiadores consideram, por exemplo, que o 13º salário para beneficiários do Bolsa Família é pouco explorado.