Retrospectiva: 10 fatos da aviação cearense em 2019

O Ceará viveu uma série de acontecimentos importantes no setor

gol max
Boeing 737 Max da Gol em Fortaleza Foto: Tiago Stille

O ano de 2019 foi agitado para a aviação cearense. Entre os novos voos e a suspensão de outros, o Estado viveu uma série de acontecimentos importantes no setor. Desde a inauguração do hub da Air France-KLM e Gol e o aumento significativo das operações da Latam em Fortaleza, o Ceará tem vivido episódios de desenvolvimento da aviação, com crescimento no número de passageiros transportados, geração de empregos e turismo pujante. 

1. Paralisação do Max

Em março deste ano, o mundo, seguindo o exemplo da China, resolveu aterrar as aeronaves Boeing 737 Max. O modelo já havia passado por dois acidentes e uma série de falhas fez as agências reguladoras de diversos países, incluindo o Brasil, decidirem suspender as operações do avião. No Ceará, o impacto foi imediato, uma vez que a Gol utilizava a aeronave nos voos para Miami e Orlando, diariamente. 

Com a paralisação, a Gol desorganizou a malha para os Estados Unidos, colocando sem frequências regulares os voos para os EUA. Quando realizava as operações, a companhia usava o 737 NG, que não tem alcance suficiente para chegar à Flórida e precisava fazer uma parada na República Dominicana. Não demorou muito para os passageiros que já haviam adquiridos os bilhetes começarem a reclamar das alterações nos itinerários. Agora, a empresa espera retomar os voos em janeiro de 2020, ainda com os NG. 

2. Concessão do Aeroporto de Juazeiro do Norte

Março também marcou o leilão de concessão de diversos aeroportos brasileiros. Entre eles, estava o Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, em Juazeiro do Norte, que foi arrematado pela empresa espanhola Aena Desarollo. No momento, a companhia administra o terminal do Cariri cearense em conjunto com a Infraero. Em janeiro, está marcada a fase para a Aena assumir inteiramente e iniciar as obras de expansão do aeroporto. Novos voos são esperados e dessa forma aumento considerável do número de passageiros. 

3. Suspensão dos voos da Avianca

Passando por uma recuperação judicial desde o fim de 2018, a Avianca Brasil foi impedida pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de operar suas rotas regularmente. Com idas e vindas do plano de recuperação na justiça, a companhia foi suspendendo vários voos no País até parar totalmente. Em Fortaleza, a Avianca operava voos para os Aeroportos de Guarulhos (SP), Galeão (RJ), Juazeiro do Norte e Brasília (DF). 

4. Copa Airlines cancela rota em Fortaleza

Com menos de um ano de operação - a Copa Airlines voava de Fortaleza para a Cidade do Panamá desde julho de 2018 - a empresa anunciou em maio de 2019 o encerramento dos voos a partir de julho. A companhia tinha dois voos semanais. A rota não foi bem-sucedida, já que contava com a concorrência direta da Latam e Gol nos voos para os Estados Unidos. A Copa tem um hub bem interessante no Panamá para onde distribuía seus voos para vários destinos nas Américas. Triste notícia para Fortaleza que não conta com praticamente nenhum voo para cidades no Peru, Chile, Colômbia, México, com exceção da Gol que tem um voo por semana para Buenos Aires, na Argentina. 

5. Air Europa 

Em agosto, a companhia espanhola Air Europa confirmou os voos entre Fortaleza e Madri, com início para dezembro de 2019. Os voos iniciaram há poucos dias e estão praticamente lotados. No entanto, mal começaram, e a empresa reduziu as frequências de duas semanais para apenas uma no período de 1º de fevereiro a 31 de março. A Air Europa informou que de 1º de junho a 27 de agosto de 2020 terá três voos semanais.  

air france 787
Boeing 787-9 que vai operar em 2020 na rota Fortaleza-Paris Foto: Divulgação

6. 777 e 787 da Air France

Aproveitando a boa fase internacional do hub de Fortaleza, a Air France substituiu o Airbus 340-300 pelo Boeing 777-200. Com uma capacidade maior, a companhia está transportando mais passageiros entre a Capital e Paris. A surpresa foi que, depois do 777, a empresa anunciou em setembro de 2019 outra substituição. Dessa vez, o 777 foi trocado pelo moderno Boeing 787-9. A aeronave surpreende pelo baixo ruído e mais conforto nas cabines econômica e executiva. A vinda do 787 mostra ao mercado que a Air France está cada vez mais valorizando o centro de conexões de Fortaleza.

7. Condor deixa Fortaleza

Um dos voos internacionais com maiores ocupações de Fortaleza, a rota Frankfurt-Fortaleza deixou de existir em setembro de 2019. A Condor, que operava os trechos, pediu recuperação judicial. Dessa forma, muitos voos em diversos países, incluindo o Brasil, foram suspensos. A Condor chegou a realizar os voos duas vezes por semana na alta estação. Agora, espera-se que tanto a Fraport Brasil, concessionária do Aeroporto de Fortaleza, quanto o Governo do Estado negociem a vinda de uma companhia alemã para operar a rota. O Aeroporto de Frankfurt é administrado pela Fraport AG, companhia que controla a Fraport Brasil. Há rumores no mercado de que a Lufthansa estaria interessada em voar para Fortaleza e de que representantes da empresa estiveram recentemente visitando o terminal.    

8. Bancos de conexões da Latam 

A Latam Brasil finalmente confirmou, em outubro, que instalou dois bancos de conexões no Aeroporto de Fortaleza. Os bancos são de tarde e de madrugada. A empresa tem voos para cidades do Norte (Belém e Manaus), Nordeste (Recife, Teresina, Salvador, São Luís, Natal), Centro-Oeste (Brasília) e Sudeste (São Paulo - Congonhas e Guarulhos - e Rio de Janeiro). A companhia inclusive anunciou três voos diários para o Aeroporto de Congonhas, na região central da capital paulista. A ideia da Latam é movimentar mais clientes que viajam a negócios. 

9. Novos voos regionais

O tão esperado anúncio deste ano foi a inclusão de sete cidades (Juazeiro do Norte já estava na malha) na malha da Gol em Fortaleza. Com as parceiras TwoFlex e VoePass, a empresa vai voar a partir de fevereiro de 2020 para Tauá, Crateús, São Benedito, Sobral, Aracati, Iguatu e Jericoacoara. As cidades estarão conectadas aos voos da Air France-KLM para Amsterdã e Paris. 

10. Expansão do Aeroporto

Um dos assuntos mais importantes de 2019 e que são fundamentais para ampliar a capacidade do Aeroporto Pinto Martins foram as obras de ampliação do terminal. Depois das polêmicas envolvendo as intervenções da antiga concessionária (Infraero), a Fraport adiantou as obras e já entregou praticamente tudo. Nova sala de embarque, novas pontes, passarela, esteiras de restituição de bagagens, sistema automático de leitura de cartão de embarque, entre outras melhorias, foram entregues durante o ano. Há ainda a perspectiva de inauguração de uma sala VIP para voos internacionais. A Fraport já confirmou que está negociando o espaço com as companhias aéreas.