Ao passo dos testes, futebol se movimenta para retornar nos próximos meses; Estaduais na frente

CBF realiza estudos prévios para montar protocolo a ser utilizado para garantir segurança biológica para o esporte

Ceará X Sport
Jogos aos moldes de Ceará X Sport, que ocorreu no Castelão vazio, devem se repetir em breve Foto: Camila Lima

Depois do baque de algumas semanas de pandemia do novo coronavírus, com direito a comércio paralisado, isolamento social e também melhor reconhecimento da doença, a sociedade começa a ter posições mais centradas e menos maniqueístas (logicamente temos excessões). Conhecendo o problema e como ele se dá, começa-se a pensar em meios de encarar a situação. Repito, pensar! Não é pecado nenhum projetar cenários.

O isolamento social ainda é uma condição chave para o enfrentamento da pandemia. Disso poucos têm dúvida. Adicionado isso, outras variantes começam a surgir como alento para setores específicos. Toda essa esperança mora em apenas uma possibilidade: a expansão e maior produção de testes rápidos para identificação de infectados.

Todo esse preâmbulo é para falar que o futebol está se movimentando, está estudando formas de retornar. Numa avaliação geral, SE conseguir num prazo ainda distante reunir segurança biológica para os atletas, imprensa e comissões técnicas, SE entender que num primeiro momento fica praticamente impossível ter torcida, SE evitar viagens de avião e contatos com aeoroportos, pode-se imaginar o futebol retornando nos próximos meses.

Esse é o movimento que atualmente acontece na Europa e que, agora, ganhou mais força no Brasil, a partir de grupos de estudo montados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A intenção desses estudos é aprofundar se é possível, dentro das 4 linhas e um pouco fora delas, haver um protocolo de segurança biológica para o esporte ser praticado. Isso passa necessariamente pela massificação de testes rápidos, que aos poucos começam a chegar no Brasil.

Mais um "se". SE o acesso aos testes for facilitado, há um primeiro passo. E esse primeiro passo entra na condição financeira da CBF, que tem recursos, e pelos Estaduais, que possibilitam confrontos sem a necessidade de viagens. Por isso, estas competições ganharam a garantia de que serão disputadas e finalizadas em 2020, enquanto os campeonatos nacionais devem entrar em 2021, já que necessariamente envolvem longas viagens por todo território brasileiro.

MINHA OPINIÃO: Pensar, estudar, projetar não está proibido de forma alguma e tais movimentos precisam acontecer prontamente. Se o futebol deseja retornar, necessariamente terá de passar por adaptações, grandes adaptações. A projeção é que o coronavírus ainda seja inimigo da comunidade mundial por, pelo menos, 2 anos. Que os estudos aconteçam sem pressão.