De volta para março de 2020, com lockdown e BBB

Não era incomum desejar entrar em uma máquina do tempo e voltar para alguma época marcante da vida. Desejávamos voltar para um momento gostoso para viver novamente aquela sensação. Ou ainda retornar para um período em que se fez algo de errado e, quem sabe, agir de uma forma diferente. Voltar para um lugar que você amou. Voltar para uma data específica para tentar impedir que algo de ruim acontecesse.

A nossa mente criava mil possibilidades, todas possíveis apenas em filmes de ficção. Na vida real, ter a vida rebobinada jamais foi viável. Voltar para a mesma etapa? Nunca. 

Aí chega março de 2021 e mostra que nem tudo é impossível. A perspectiva? Estarmos voltando para o que era considerado vida normal, retomando postos de trabalho, reencontrando pessoas, fazendo planos. Realidade? Voltamos a março de 2020.

Como se entrássemos em um carro supersônico que atravessou a velocidade da luz e voltou no tempo, acordamos como se não tivesse passado um ano inteiro em nossas vidas e estivéssemos novamente no mesmo lugar.

No noticiário, governador decreta lockdown e nos fecharemos novamente em casa. Na televisão, nosso ópio em forma de reality com o BBB no ar e torcendo pelo próximo paredão. Piscamos e voltamos no tempo (com a diferença de personagens menos carismáticos na casa vigiada). Ou ainda, ficamos com a sensação de que nunca saímos dele. 

É como se o DeLorean, em 2020, estivesse atravessado o portal e quando chega em 2021, na mesma data, cai em uma cena exatamente igual. Quão confusos ficariam os personagens de uma trama assim? Ué, se aceleramos um ano, porque estão todos em casa, vendo um reality na TV e cercados por álcool em gel? Não já deveríamos ter saído dessa cena? Acho que o roteirista se perdeu, pensariam.

Talvez, se um filme fosse, os personagens pudessem voltar para 2020 e quem sabe agir diferente. Seguiriam as normas, não fariam festas, tomariam cuidados básicos e não aglomerariam. Quem sabe ainda, se um filme fosse, conseguiriam até derrubar o líder do governo federal e teríamos uma história diferente para contar. 

Mas, se antes o medo era do desconhecido, hoje sabemos do que o vírus a solta é capaz. Pior, do que as pessoas são capazes. Pois, além de todas as dores, é preciso lidar com quem nega a realidade, com quem ignora o que está acontecendo, e o pior, o pior de tudo, um presidente que não só não ajuda, como atrapalha absolutamente toda e qualquer ação que poderia conter esse filme de terror em que caímos.

cena de de volta para o futuro
Legenda: De Volta para o Futuro, mas ele é igual ao passado.

Preferia que esse filme que estamos vivendo agora se parecesse mais com "Como Se Fosse a Primeira Vez", em que a pessoa acorda vivendo sempre o mesmo dia, porém com a memória recente apagada. Afinal, se estamos de volta ao mesmo mês de um ano anterior, que pelo menos fosse sem carregar as angústias da realidade. 
 
Mas, o agora lembra mais um De Volta para o Futuro, só que aterrorizante, em que a ida ao futuro é justamente um retorno a mesma estaca, porém com centenas de dores e traumas arraigados em nós. Ou ainda uma grande Caverna do Dragão, com todos presos no tempo e, quando sentimos que iremos sair por uma luz, somos puxados de volta. Até o bonachão do Click, em que aceleramos os dias, mas no futuro percebemos que nem vivemos o que passou e que o futuro não é lá tão animador.

Pena que aqui não iremos acordar e notar que foi só um pesadelo.