Uma nova fábrica de massas

Novidade na indústria cearense de alimentos: o Grupo Santa Lúcia, liderado pelo empresário Alexandre Sales, está concluindo a implantação de uma moderna fábrica de massas no vizinho município de Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza. Localizada ao lado do seu moinho de trigo, que produz farinha com as marcas "Puríssima" e "Farimax", a fábrica tornará verticalizada toda a produção industrial da empresa (o Grupo Santa Lúcia também planta e colhe trigo de alta qualidade em áreas da Chapada do Apodi, em parceria com a Agrícola Famosa).

Investindo, com recursos próprios, R$ 20 milhões, a Santa Lúcia importou tecnologia da Itália para a sua fábrica de massas, que, dentro de poucos dias, passará a produzir - com máquinas e equipamentos de fabricação nacional - macarrão do tipo espaguete com a marca "Puríssima". Toda a operação industrial da nova planta da empresa de Alexandre Sales - que ocupa uma área de 6 mil m² - é automatizada, o que reduzirá bastante os seus custos de produção, cuja capacidade é de 1.500 toneladas/mês. "Nosso foco será o grande varejo. Faremos a comercialização dos nossos produtos desde o Amazonas até a Bahia, oferecendo aos nossos clientes um mix de farinha de trigo, massas e ovos", diz ele à coluna. Vale a pena, conferir um pouco de história:

Em maio de 2012, as unidades industriais do Grupo Santa Lúcia foram compradas pelo grupo M. Dias Branco, que na época já era líder do mercado brasileiro de massas e biscoitos. A Santa Lúcia atuava na moagem de trigo e na fabricação de seus derivados, tendo como principais marcas a Predilleto e o Bonsabor. Durante os cinco anos, por imposição de uma das cláusulas do contrato com M. Dias Branco, Alexandre Sales manteve-se distante da atividade industrial de moagem de trigo e da produção de itens oriundos desse cereal.

Durante esse lustro, Sales usou a inteligência para realizar algumas experiências, uma das quais na agricultura. Em parceria com a Agrícola Famosa, que lhe emprestou suas terras na Chapada do Apodi, investiu, com a consultoria especializada da Embrapa Trigo, com sede em Passo Fundo (RS), num projeto-piloto de cinco hectares. Plantou uma semente selecionada, criada e desenvolvia pela Embrapa, e obteve sucesso de produção e, principalmente, de produtividade. Ainda no ano passado, Sales, novamente com a Agrícola Famosa, repetiu o plantio só que dessa vez em terras diferentes. Foram plantadas duas áreas de cinco hectares cada uma em Icapuí (CE) e Mossoró (RN). Além das terras nas quais nunca se havia cultivado trigo - todas ao nível do mar, o que contrariava a cultura milenar do grão e ainda em uma época desaconselhada pela temperatura - usou-se irrigação com uma mistura de água doce e salgada - algo arrojado e inovador. A produtividade não alcançou os volumes colhidos anteriormente, mas chegou à média de três toneladas por hectare, o que, na opinião de Sales, "foi fantástico por todas as suas condições". A colheita foi realizada na primeira quinzena de janeiro. Neste ano, Alexandre Sales está repetindo a experiência não só no Ceará com o mesmo parceiro, mas também com outros no Piauí e no Maranhão. Com um olho no agro e outro na indústria, ele aposta: em cinco anos, "não só o Ceará poderá ser um bom produtor de trigo, mas a região Nordeste". E aí será a sopa no mel.

Loterias

Durante o ano de 2020, as loterias da Caixa bateram um recorde histórico: arrecadaram R$ 17,1 bilhões em apostas, ou 2,3% a mais do que o arrecadado em apostas no ano anterior de 2019. Houve recorde, também, na distribuição de prêmios: R$ 5,9 bilhões. A Caixa, com os recursos arrecadados de suas loterias, repassou a cifra, igualmente recorde, de R$ 8,05 bilhões à saúde, educação, segurança e esportes.

CDL Jovem

Amanhã, das 12 às 15 horas, o CDL Jovem Fortaleza promoverá, no L'Ô Restaurante, reunião de seus associados com o jovem empresário Ary Neto, sócio e CEO da Arco Educação, que está fazendo uma revolução na educação brasileira. Ele explicará como essa revolução foi urdida, como evoluiu e como está hoje, inclusive com ações na Bolsa Nasdaq, de NY.

Chuvas

Informação oficial de fonte primária, a Funceme: no passado mês de janeiro, que ontem terminou, registrou-se pluviometria de 53,4 milímetros. A média histórica para esse mês é de 98,7 milímetros. Resultado: um preocupante desvio para baixo de 46%. Hoje está começando o mês de fevereiro, cuja pluviometria costuma registrar performance muito melhor do que a de janeiro. A propósito: a Zona de Convergência Intertropical (ZVIT), que provoca as chuvas no Ceará, está bem acima da linha do Equador. Enquanto permanecer assim, a perspectiva é de poucas precipitações.

Inovação

Obteve sucesso o I Fórum de Gestores do PDI (Programa de Inovação Industrial), criado pela Fiec e voltado para ações de inovação da indústria. Realizado sexta- feira passada na Casa da Indústria, o Fórum reuniu líderes de sindicatos da indústria e executivos da CSP, Esmaltec, M. Dias Branco, J. Macedo, Itaueira Agropecuária, Grendene, Durametal, Pague Menos, Hapvida, Cigel e 3E Engenharia. Ricardo Cavalcante, presidente da Fiec, diz: "A indústria cearense tem um perfil inovador".



Assuntos Relacionados