Senai-Ceará transforma presídios em centros profissionalizantes

Parceria do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Administração Penitenciária, com a Fiec e o Senai-CE foi renovada. Já foram qualificados mais de 6 mil internos. Até o fim deste ano, se-lo-ão mais 1.940.

Foi renovada a parceria do Senai-Ceará, organismo do Sistema Fiec, com a Secretaria de Administração Penitenciária do Governo do Estado (SAP), por meio da qual os internos do complexo prisional cearense continuarão sendo qualificados pelo Projeto Sou Capaz que as duas partes mantêm, com sucesso, desde 2019.

O presidente da Fiec, Ricardo Cavalcante, o diretor regional do Senai, Paulo André Holanda, e o secretário da SAP, coronel Mauro Albuquerque, assinaram ontem o contrato de R$ 1,78 milhão que formaliza a continuação da parceria.

Paulo André Holanda disse, no ato de assinatura do contrato, que, “para diminuir a reincidência criminal no nosso Estado, a educação profissional ministrada pelos professores do Senai-Ceará e voltada para o mercado de trabalho é um caminho importante”.

Holanda também destacou o êxito da parceria, citando como um dos seus motivos a plena dedicação pessoal do secretário Mauro Albuquerque, que executa uma gestão inovadora e criativa nocomando do complexo prisional do Estdo..

O Projeto Sou Capaz já capacitou mais de seis mil internos das unidades prisionais do Estado. Até o fim deste ano, serão qualificados mais 1.940 internos das unidades da SAP na Região Metropolitana de Fortaleza, em Sobral e em Juazeiro do Norte.

Todos os cursos do projeto ministrados pelo Senai-Ceará são de qualificação profissional, com carga horária de 160 horas.

Na nova fase do Sou Capaz, o foco dos cursos será o segmento da construção civil, pois a ideia do titular da SAP é construir ambientes educacionais dentro das unidades prisionais.

Para isso, serão formadas turmas para os cursos de eletricista predial, pedreiro, instalador hidráulico, pintor e gesseiro.

Também serão ministrados cursos de serralheiro para o segmento metalmecânico e de costureiro industrial para o setor industrial de vestuário. 

Paulo André Holanda disse à coluna que o Projeto Sou Capaz “tem contribuído diretamente para o programa de industrialização das penitenciárias cearenses, e tanto é assim que, com a mão de obra qualificada pelo Senai-Ceará, empresas têm se instalado no interior das unidades prisionais”.



Assuntos Relacionados