Produtores de leite pedem cartão ao BNB

Há em marcha um movimento de pequenos, médios e grandes produtores rurais nordestinos - os do Ceará no meio, logicamente - no sentido de coletar o maior número possível de assinaturas em um abaixo-assinado que, através das redes sociais, pede a criação, pelo Banco do Nordeste (BNB), de um Cartão de Crédito Rotativo de Custeio da Produção de Leite para facilitar o dia a dia de quem, na região, produz e trabalha na pecuária, cuja atividade exige, por exemplo, a compra constante de medicamentos veterinários e, também, o pagamento da conta da energia elétrica no dia do seu vencimento. Um consultor em agropecuária disse à coluna que é o custeio o item que mais angustia e asfixia o produtor de leite, que nem sempre tem no bolso ou no banco o dinheiro necessário à compra de um insumo. "O Cartão de Crédito Rural Rotativo de Custeio da Produção de Leite do BNB resolveria essa angústia. Se no dia do pagamento da fatura da Enel, ele não tiver o dinheiro disponível, bastará usar o cartão", explica ele. É preciso entender que, para conceder o crédito, seja ele por cartão, por consignação ou por outra forma, qualquer instituição bancária, incluindo o BNB ou o Banco do Brasil, exige, como contrapartida, garantias que cubram perdas por eventuais casos de inadimplência. Aqui está um dos obstáculos com que o pequeno produtor, principalmente ele, se deparará quando requerer o seu cartão que, por enquanto, é só o sonho de quem já firmou o abaixo-assinado. Até prova em contrário, criar esse cartão não consta da agenda da diretoria do BNB, que, porém, poderá interessar-se pela ideia, que é boa e tem a ver com os objetivos sociais e econômicos do banco.

Panetone

Boa informação para a indústria da panificação chega à coluna: os internos de três presídios da Região Metropolitana de Fortaleza, que se tornaram panificadores graças ao curso ministrado por professores do Senai-Ceará, criaram, como prova de sua alta qualificação profissional, um novo tipo de panetone, que, se produzido em escala, fará sucesso em todas as padarias e supermercados. "Quando cumprirem sua pena, estarão empregados e retornarão ao convívio da sociedade", diz Paulo André Holanda, diretor regional do Senai.

Advertência

Nestes tempos de pandemia e de eleição, vale muito esta advertência: "Dize-me com quem andas e te direi quem és".

Voltando sua atenção para o interior, o presidente do Sindicato das Indústrias Químicas do Ceará, Paulo Gurgel, acaba de nomear o industrial Assis Saraiva, dono da empresa Sabão Juá, diretor do Sindquímica na Região do Cariri. Saraiva tem uma meta: ampliar o número de empresas associadas e ampliar as suas atividades.

Impressiona a cara de pau dos políticos que mesmo sem mandato persistem em praticar crimes. A recente operação da PF, que prendeu um ex-deputado federal e pôs a mão em R$ 2 milhões em espécie, é uma prova de que não há Lava Jato que consiga inibir a ação do mau político, que nasce torto e morre torto.



Assuntos Relacionados