Ministério autoriza Brisanet a emitir R$ 529 milhões em debêntures

Com os recursos que captará no mercado, a Brisanet acelerará seus projetos de expansão nas áreas urbanas do Rio Grande do Norte e das Alagoas. A empresa de José Roberto Nogueira já enlaça Fortaleza com fibra ótica.

Por decisão do Ministério das Comunicações (Mcom), a empresa cearense Brisanet, incluída entre as melhores do país na área de telecom, está autorizada a emitir R$ 529 milhões em debêntures incentivadas para implementar seus projetos de expansão na região Nordeste, onde ela atua.

A Portaria que autoriza a transação foi publicada na edição de ontem, quinta-feira, 28, do Diário Oficial da União.

A Brisanet, com os recursos que captará no mercado, dará sequência aos seus projetos de ligação de redes de fibra ótica nas áreas urbanas do Ceará, onde tem sede na cidade de Pereiro, no Vale do Jaguaribe, do Rio Grande do Norte e de Alagoas (ela também atua na Paraíba).

A empresa, cujo sócio majoritário é José Roberto Nogueira, está neste momento enlançando com fibra ótica a cidade de Fortaleza, onde suas operações serão iniciadas até o fim do próximo mês de março, já tendo iniciado o processo de seleção de pessoal técnico.

REPORTO

Está pronto para ser votado no Senado Federal o projeto de lei que cria o Regime Tributário para Incentivo à Modernização e à Ampliação da Estrutura Portuária - o Reporto. 

Ele permite, na importação de máquinas, equipamentos, peças de reposição e outros bens, a suspensão do pagamento do Imposto de Importação, do IPI, do PIS-Pasep Importação e da Cofins-Importação, desde que importados diretamente pelos beneficiários do regime e destinados ao seu ativo imobilizado. 

Na linguagem de arquibancada, significa que empresas que fazem a operação portuária no Pecém e no Mucuripe poderão, tão logo a proposta seja aprovada e transformada em Lei, livrar-se do pagamento daqueles tributos sobre importações de equipamentos, como guindastes, que fizeram recentemente. 

O Reporto será aplicado às importações realizadas até 31 de dezembro do ano passado. 

Os equipamentos importados têm de ser usados na carga, descarga, armazenamento e movimentação de mercadorias e produtos; nos sistemas suplementares de apoio operacional; na proteção ambiental; nas dragagens, nos sistemas de segurança e de monitoramento de fluxo de pessoas, mercadorias, produtos, veículos e embarcações e no treinamento e formação de trabalhadores. 

Esse Regime Tributário beneficiará, como beneficiava antes, não só os operadores portuários, mas também o concessionário de porto organizado e o arrendatário de instalação portuária de uso público. 

O regime anterior caducou no fim do ano passado.

CAJU E CAJUÍNA

Chegaram às gôndolas do Carrefour da Maraponga (já estão nas prateleiras das demais redes varejistas) a polpa, o suco de caju clarificado e a cajuína orgânica produzidos pela Itaueira Agropecuária, cujo sócio e CEO é Tom Prado, e por sua parceira Natvita, pilotada por Fernando Furlani. 

A fábrica - que usa alta tecnologia - localiza-se na BR-304, no limite dos municípios de Palhano e Aracati. 

Os fornecedores da matéria prima são 40 pequenos produtores da região, que entregam 60 toneladas/dia de pedúnculo de caju, que se tornam 50 toneladas/dia de polpa, suco e cajuína. 
Furlani informa que os cajucultores são incentivados e orientados a produzir e a lhes fornecer, exclusivamente, caju orgânico, garantindo a qualidade dos produtos.
“Do campo de produção à nossa fábrica e dela para os supermercados, tudo é feito com rapidez, pois assim garantimos a qualidade dos produtos e o seu sabor e o seu valor nutricional”, assegura Furlani.

PRIORIDADE

Sócio e diretor da rede Supermercado Pinheiro, o empresário Honório Pinheiro concorda com o secretário do Desenvolvimento Econômico, Maia Júnior, para quem o Auxílio Emergencial já deveria ter sido recriado para garantir a sobrevivência de 60 milhões de desassistidos e desempregados por causa da pandemia. 

“Maia tem razão. A recriação do Auxílio Emergencial deve ser, neste momento, por óbvios motivos, uma das grandes prioridades do governo federal”, opina Honório Pinheiro.

RECEITA FEDERAL

Novidade no Aeroporto Internacional Pinto Martins, de Fortaleza!

A Receita Federal mudará sua área de fiscalização de bagagens dos passageiros procedentes do exterior. Má notícia para quem exagera nas compras, ultrapassando os limites legais. 

Agora, os passageiros desembarcados dos voos internacionais passarão pela migração, recolherão suas bagagens e passarão por dentro da nova loja “free shop” (ainda não inaugurada), cuja área foi ampliada para 900 m².

Será bem na saída da loja que estarão os fiscais aduaneiros para cumprir sua tarefa. 

Eles disporão de “scanner” que identificará o conteúdo das malas. 

ATAQUES

Esta sexta-feira poderá ser como a quinta-feira, um dia ruim para os mercados do Ocidente. Já o foi na Ásia, onde as bolsas de valores fecharam em queda.

Na Europa e nos EUA, a projeção é de mais um dia de baixa.

A causa é a mesma: “ataques” de investidores amadores a fundos de investimentos dos EUA, por meio dos quais fizeram subir ou descer ações de grandes empresas.

As ações dos bancos e das empresas de tecnologia estão em baixa acentuada, que variam de 2% (bancos) a 1,5% (tecnologia). 

Há o temor de que esses ataques prossigam hoje.