Fábricas da Vicunha no Ceará trocarão gás natural por lenha

Para isso, a empresa controlada pelos irmãos Ricardo e Benjamin Steinbruch e que também produz e exporta manga em Quixeré e Beberibe com a Finobrasa Agrícola, cultivará eucalipto no Ceará.

Legenda: Investindo também na produção e exportação de mangas e uvas, a Finobrasa parte para o cultivo de eucalipto no Ceará
Foto: Divulgação

Atenção! O Grupo Vicunha, que, além do setor industrial têxtil, também atua com a Finobrasa Agrícola, e cada vez mais intensamente, na fruticultura (produz e exporta manga no Vale do Açu, no Rio Grande do Norte, e Quixeré e Beberibe, no Ceará; e manga e uva em Petrolina, em Pernambuco), decidiu investir, também, e em curto prazo, no florestamento. 

E o fará aqui no Ceará.

Esta coluna pode informar que a Vicunha trocará o gás natural pela lenha de madeira licenciada para mover as caldeiras de suas fabricas de fiação e tecelagem de Maracanaú e Horizonte, ambas na Região Metropolitana de Fortaleza. Para isso – revela uma fonte bem-informada – a Vicunha procura áreas de terras no Litoral Leste e no Litoral Norte do Ceará, onde a pluviometria anual é superior a 1 mil milímetros. 

A ideia da direção da Vicunha  é adquirir uma área acima de 1,5 mil hectares destinada à plantação de eucalipto, para o que cultivará uma variedade especial a ser utilizada como lenha nas caldeiras de suas unidades fabris. Essa variedade permitirá o corte das árvores em até três anos.

Por que essa troca de combustível? A resposta é simples: a guerra na Ucrânia fez disparar, extraordinária e incrivelmente, o preço do gás natural, que se tornou proibitivo a ponto de reduzir a quase zero a margem das empresas. 

A Finobrasa Agrícola tem uma extensa área de terra no vizinho Rio Grande do Norte, mas a fonte desta coluna informou que a preferência da empresa é cultivar eucalipto na região litorânea do Ceará, onde sempre choveu muito.

A propósito, e sobre o gás natural: a alíquota do ICMS incidente sobre esse combustível é de 18% no Estado do Ceará; e, também, de 18% no Estado da Bahia.

CASA DA INDÚSTRIA: UM PRÉDIO SUSTENTÁVEL

Por iniciativa do Sindicato da Indústria de Reciclagem do Ceará, o edifício sede da Federação das Indústrias (Fiec), denominado de Casa da Indústria, será um prédio sustentável do ponto de vista ambiental. 

Para isso, já foram instalados o sistema de coleta seletiva de resíduos, uma Ilha Ecoenel, uma fonte própria de geração de energia solar, o cálculo constante da quantidade de emissão de gás de efeito estufa, a instalação de uma horta orgânica, um sistema de compostagem, a fabricação de sabão com óleo de cozinha usado, a presença de um técnico ambiental e o pedido de Selo ESG (governança ambiental, social e corporativa).

Quem quiser saber como tudo isso existe e funciona, é só passear pelos jardins da Casa da Indústria e observar detalhes no chão e nas paredes.

Agora, é aguardar pelo Selo ESG.

AJE FORTALEZA EMPOSSA NOVA COORDENAÇÃO

Amanhã, quarta-feira, 18, no auditório da Casa da Indústria, sede da Fiec, tomará posse a nova Coordenação Executiva da Associação dos Jovens Empresários de Fortaleza (AJE).

O atual coordenador Igor Pinheiro transmitirá o comando da AJE Fortaleza para George Martins.

A nova coordenação pretende, com seu projeto "Sociedade 5.0", implementar alguns valores, como avenços na qualidade de vida, inclusão e sustentabilidade.