Ceará vai à Expo Mundial de Dubai para mostrar-se ao mundo

A Exposição Mundial acontece a cada cinco anos desde 1851. A de 2020, transferida por causa da pandemia, será vista por 25 milhões depessoas. E mais: 1) Desabam custos da energia solar; 2) M. Dias Branco no Natal de Luz; 3) Sudene impõe prazo para incentivos; 4) FLA demite Rogério Ceni

No próximo mês de outubro, começará em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, a Expo 2020. 

O evento – que acontece a cada cinco anos desde 1851, quando se realizou em Londres (o último foi em 2015, em Milão) – tem esse nome porque deveria ter ocorrido no ano passado, mas a pandemia da Covid-19 o transferiu para o período de 1º de outubro deste ano até 31 de março de 2022.
 
O que isto tem a ver com o Ceará? 

Tem tudo a ver, porque o governo cearense decidiu participar dessa exposição, que, ao longo dos seus seis meses de funcionamento, será visto por uma multidão estimada em 25 milhões de pessoas. 

O secretário de Desenvolvimento Econômico do Governo do Estado, Maia Júnior, disse ontem à coluna que, na Expo 2020, o Ceará – por meio do seu governo e dos seus empresários – mostrará tudo o que há à disposição dos investidores do mundo.

Nesse tudo, incluem-se sua infraestrutura portuária, aeroportuária e rodoviária, os hubs de Hidrogênio Verde e de Telecom, com destaque para o segundo maior entroncamento mundial de cabos submarinos de fibra óptica, instalado e em operação em Fortaleza, além de seus vários Data Centers, entre os quais o do Google, Microsoft, Amazon, Oracle e IBM.
 
“Mostraremos na Expo 2020 os nossos principais produtos da indústria e da agropecuária e, também, as nossas atrações turísticas, incluindo o nosso artesanato e a nossa gastronomia. E, ainda, o nosso potencial na área das energias renováveis “on shore” e “off shore” e o nosso porto de águas profundas”, antecipou o secretário Maia Júnior. 

O governador Camilo Santana encabeçará a missão cearense a Dubai, da qual participarão as principais empresas e empresários do Estado. 

CUSTOS DA ENERGIA SOLAR DESABAM

Nos dois leilões de energia realizados quinta-feira pela Agência Nacional de Energia (Aneel), a grande estrela foram os projetos de geração solar fotovoltaica, cujos preços desabaram.

Partindo de um preço inicial (teto) de R$ 198,00/MWh para a fonte solar fotovoltaica nos dois certames, o leilão A-3 (para entrega em 3 anos) foi encerrado com preço-médio de venda de R$ 125,53/MWh (deságio de 36,6%).

O leilão A-4, para entrega em 4 anos, apresentou preço-médio de venda de R$ 136,31/MWh (deságio de 31,2%).
 
Assim, a fonte solar apresentou os menores preços-médios para os dois leilões de energia.

Na avaliação da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), a contratação de energia da fonte solar fotovoltaica deveria ter recebido maior prioridade, por ser a fonte renovável com os menores preços do País desde 2019.
 
“Se o Governo Federal tivesse contratado o dobro de energia da fonte solar nesses dois leilões, reduzindo a energia comprada de fontes mais caras, teria economizado aos consumidores brasileiros pelo menos R$ 126,8 bilhões nos próximos 20 anos”, diz Rodrigo Sauaia, presidente executivo da Absolar.

Os projetos solares contratados pelos leilões A-3 e A-4 estão localizados nos estados da Paraíba (59,6 MW médios) e Pernambuco (17,4 MW médios). 

Foram arrematadas sete novas usinas da fonte solar, totalizando 77 MW médios de garantia física, trazendo mais de R$ 908 milhões em investimentos previstos e a geração de mais de 8 mil empregos até 2025.
 
M.DIAS BRANCO NO NATAL DE LUZ

M. Dias Branco, empresa cearense líder do mercado nacional de massas e biscoitos, será, mais uma vez, uma das patrocinadoras do Natal de Luz, evento que, anualmente, no fim do ano, une a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e a Prefeitura de Fortaleza.

Ontem, o sócio e CEO da empresa, Ivens Dias Branco Júnior, reuniu-se com o presidente da CDL, Assis Cavalcante, quando ficou acertada a participação de M. Dias Branco na promoção do evento.

O Natal de Luz deste ano, apesar das limitações ainda impostas pela pandemia da Covud-19, promete ser o que sempre foi desde que Pio Rodrigues o inventou em 1997: um dezembro de confraternização, que não só ilumina feericamente a cidade, mas também o coração dos seus habitantes numa manifestação de amor que transborda para os turistas.
 
Talvez seja o Natal de Luz um dos pontos de atração turística da capital cearense, cuja beleza se amplia e se renova a cada ano.
 
Assis Cavalcante, presidente da CDL Fortaleza, aposta na programação do Natal de Luz deste 2021, “que virá cheio de atrações”, como ele promete.

Por falar em Assis Cavalcante: sua filha Edla, médica especialista em oncologia, passou a integrar – após severos exames de seleção – a equipe do renomado doutor Fernando Maluf, do Hospital Albert Einstein. 

Fernando Maluf é considerado um dos maiores da especialidade no Brasil e na América Latina.

NANOTECNOLOGIA NA AGRICULTURA

Uma informação para os empresários da agricultura cearense:

No próximo dia 27, às 17 horas, por vídeo conferência, a doutora Natália Florêncio Martins, pesquisadora da Embrapa Agroindústria Tropical, com sede aqui em Fortaleza, fará palestra sobre “Nano Formulações Aplicadas à Agricultura”.

A palestra será a atração da reunião da Academia Cearense de Ciência.

SUDENE IMPÕE PRAZO PARA OS INCENTIVOS

Atenção! Informa a Coordenação-Geral de Incentivos e Benefícios Fiscais e Financeiros da Sudene: a partir de agosto, quando entrar em vigor a Resolução nº 622, de 29 de junho deste ano, as empresas interessadas na obtenção dos incentivos fiscais administrados pela autarquia terão prazo de 15 dias para o envio da documentação comprobatória para efeito da vistoria virtual. 

O prazo será contado a partir do envio do e-mail de solicitação dos documentos. 

“O Referido prazo poderá ser prorrogado por mais 15 dias, a pedido da empresa. Findo esse prazo, sem que a empresa interessada encaminhe a documentação solicitada ou novo pedido de prazo adicional, o processo será encaminhado para o seu arquivamento”, avisa Silvio Carlos do Amaral e Silva, titular da Coordenação-Geral de Incentivos e Benefícios Fiscais e Financeiros da Sudene.

A medida tem o objetivo de evitar que os pleitos aptos à realização da vistoria virtual não sejam aprovados em tempo hábil, em virtude da demora do interessado em encaminhar os vídeos e a documentação complementar solicitada.

BRASIL À BEIRA DE UMA RUPTURA

Está à beira do rompimento a corda da agora gravíssima crise política pela qual atravessa o país.
 
Na manhã de ontem, sexta-feira, 9, o presidente Jair Bolsonaro chamou de “imbecil” e “idiota” o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que é contra a ideia de tornar impresso o voto na urna eletrônica na eleição geral do próximo ano.

A ideia é do presidente da República e de seus correligionários.

Bolsonaro foi além e afirmou, falando para apoiadores no chamado “cercadinho” do portão de entrada do Palácio da Alvorada, que a eleição de 2022 poderá não se realizar, se o voto impresso não for aprovado.

“Eleição vai haver, eu garanto”, respondeu poucos minutos depois o ministro Barroso.

Foi o bastante para que, em entrevista coletiva à imprensa, o senador Rodrigo Pacheco, presidente do Senado e do Congresso Nacional, saísse em defesa da democracia, das eleições livre e do direito de plena manifestação de cada um dos senadores e deputados federais.

“A eleição é algo inegociável”, afirmou Rodrigo Pacheco, que, em seguida, recebeu o apoio de parlamentares de vários partidos, inclusive dos que sustentam o presidente Bolsonaro no Parlamento.

Tudo isso está acontecendo a um ano e três meses da eleição de 2022, que escolherá o presidente da República, os governadores, os senadores e os deputados federais e estaduais.

Segundo as últimas pesquisas – sobre as quais pesam suspeitas que se avolumam nas hostes apoiadoras do governo Bolsonaro – o ex-presidente Lula venceria a eleição do próximo ano com larga vantagem sobre Bolsonaro, que perderia também para Ciro Gomes e Sérgio Moro.

Mas a crise política, causada pela deterioração das relações entre os três poderes da República, é agravada por um detalhe importante: envolve as Forças Armadas.

O ministro da Defesa e os comandantes do Exército, da Marinha e da Força Aérea publicaram nota condenando declarações do senador Omar Aziz, presidente da CPI da Covid-19, com acusações ao que chamou de “banda podre” das Forças Armadas, uma referência ao ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, e aos seus auxiliares, todos militares, contra os quais surgiram denúncias de tentativa de compra superfatura de vacinas, algo até agora não provado. 

O presidente Bolsonaro, pelo que tem dito nos últimos dias, está contando com o apoio das Forças Armadas para a sua posição a favor da proposta que estabelece o voto impresso nas próximas eleições.

Acontece que o estamento militar nada tem a ver com o que estabelece hoje ou com o que venha a determinar amanhã a legislação eleitoral. É uma questão que passa longe da caserna, cuja atuação está limitada ao que dita a Constituição.

A legislação eleitoral é elaborada pelo Poder Legislativo. Uma vez aprovada, deve ser obedecida, principalmente pelo Executivo. Fazer diferente do que manda a Constituição será romper com o estado de direito, e aí se estabelecerá a confusão.

O problema se agrava por causa da ação do Poder Judiciário, que, em vez de posicionar-se de maneira imparcial, assume uma atitude que reforça o discurso da oposição. 

Os ministros do STF, nos últimos meses, têm invadido a área de competência do Legislativo e do Executivo, contribuindo para a ampliação da mixórdia.

Neste fim de semana, pelo andar da carruagem, a cena política brasileira parece prometer novas emoções.

Acompanhando tudo, o mercado financeiro, que já opera sob forte temor de uma ruptura institucional, pode aprofundar sua desconfiança, fazendo descer, na segunda-feira, ainda mais a Bolsa e subir ainda mais a cotação do dólar.
 
O mais lamentável é o seguinte: maior produtor e exportador de alimentos do mundo, ocupando apenas 10% de seu território; dono da maior biodiversidade do planeta e de 18% de suas águas doces; sendo abrigo das maiores reservas minerais da terra, o Brasil é, desde o seu descobrimento, um país difícil de ser governado por causa de sua elite política, que, com as raríssimas e conhecidas exceções, tem um histórico de corrupção, de desvio de dinheiro público, de gestão incompetente.

Estamos, outra vez, em crise. Como a desta vez terminará, ninguém sabe. A sociedade teme o pior, de novo.   

ROGÉRIO CENI DEMITIDO DE MADRUGADA

Quem diria! Rogério Ceni, que trocou o Fortaleza pelo Flamengo, foi demitido na madrugada deste sábado por meio de um comunicado da diretoria, divulgado pelo Twitter.

Um desrespeito ao grande profissional que é Ceni, cuja competência foi provada no Fortaleza Esporte Clube, mas rejeitada por jornalistas cariocas apaixonados pelo time da Gávea.

A mídia esportiva do Rio de Janeiro, de maioria rubronegra, forçou a demissão de Rogério Ceni.

Neste momento, a torcida do Fortaleza lamenta, só lamenta, a demissão de Ceni do Flamengo.

Os tricolores do Pici estão muito satisfeitos com o argentino Juan Pablo Wojvoda.

 

 

 

  



Assuntos Relacionados