Educação: sem o Senai, situação seria pior

Ricardo Cavalcante, presidente da Federação das Indústrias do Ceará, preocupa-se com a situação da educação brasileira. No último Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) - exame realizado de 3 em 3 anos pela OCDE para avaliar o nível de aprendizado de adolescentes de até 15 anos de idade - o Brasil saiu-se muito mal. O Pisa testa os conhecimentos em matemática, leitura e interpretação e ciências. Ele entende que a raiz do problema da falta de trabalhador qualificado está na baixa qualidade e no generalismo da educação no Brasil. Dos que terminam o ensino médio - lembra ele - 90% não aprenderam uma profissão. Apenas 9,7% deles cursam o ensino médio com educação profissional.

Reagindo ao comentário de um empresário do varejo, que, em uma rede social, pôs em dúvida a qualidade do ensino ministrado pelo Sistema S, Ricardo Cavalcante foi direto ao ponto:

"Aqui no Ceará, o Governo do Estado e vários municípios, de forma estruturada, estão mudando essa realidade. O Senai tem cerca de 1,5 milhão de alunos cursando desde a qualificação pontual até o curso superior, passando pelo curso técnico. Nem se dobrássemos os recursos do Senai, conseguiríamos resolver o problema. Se não houvesse o Senai, a situação seria ainda pior. Certamente, a indústria brasileira não seria a 10ª do mundo e não empregaria 9,5 milhões de trabalhadores. Achar que a falha da educação no Brasil vem do ensino médio é analisar o problema de forma muito restrita e simples.

Ricardo prossegue: "Temos vivido essa realidade nas escolas do Sesi, quando recebemos nossos alunos no Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano). Eles já chegam despreparados, desmotivados. O problema não está no Ensino Médio, mas sim no modelo educacional como um todo. Não se desperta o interesse do aluno somente aos 15-16 anos com um currículo diferenciado. Aluno é aprendiz desde quando ingressa na escola. Uma educação mais ativa e reflexiva precisa ser a base de toda a trajetória escolar. Transformar jovens - com base acadêmica falha - em profissionais qualificados é um desafio difícil. Todo o modelo educacional precisa ser repensado. Hoje, os atendimentos do Sesi, Senai e IEL são espetaculares. Eles estão qualificando pessoas e transformando vidas e a economia do Ceará através do conhecimento técnico, aliado à saúde e à segurança no trabalho".

M. Dias Branco

Gustavo Theodozio é o novo Vice-Presidente de Investimentos e Controladoria do Grupo M. Dias Branco. Ele já foi executivo nas áreas financeira e de relações com investidores na Biosev (Louis Dreyfus Company), Unipar Carbocloro (Solvay Indupa), JBS (JBS Couros, Vigor e Itambé) e Grupo JCPM (Bompreço Supermercados Sistema Jornal do Commercio de Comunicação).

Casa própria

A Caixa reduz os juros para a casa própria. Por isto, a Engeplan Engenharia e a CR Duarte estão lançando três novos condomínios no Eusébio e Caucaia.

No próximo dia 20, ao meio-dia, na cobertura da Fiec, Pedro Lima, sócio e CEO da 3 Corações, falará no Almoço Empresarial. Narrará sua história de sucesso de.

Há uma campanha mundial contra a agricultura e a pecuária brasileiras. Os líderes nacionais dos dois setores decidiram enfrentar, agora, essa campanha.