Descontrole na Black Friday pode levar cliente da fila de promoções à fila de renegociação de dívida

Aumento do endividamento e risco de inadimplência são maiores quando não se tem controle da renda

abertura das lojas americanas
Desde a última noite, cearenses se amontoam em filas de promoções FOTO: KID JÚNIOR

A Black Friday movimenta uma multidão nos shoppings e no comércio de rua de Fortaleza desde a noite de ontem, atendendo às expectativas dos lojistas que apostaram na data e reforçando a vontade do consumidor de comprar. Eis que surge o perigo para as finanças pessoais: gastar mais do que ganha pode resultar em uma lista de inadimplentes mais extensa na Capital. Aí, é sair das filas das promoções de fim de ano para as filas de renegociação de dívidas.

E, pelo visto no último feirão do Procon Fortaleza, o fortalezense - de um modo geral - não tem controle das finanças pessoais. O que sinalizaram as filas em volta do Ginásio Paulo Sarasate foi confirmado pela Fecomércio Ceará em outubro, que mostrou índice de 50,9% de endividados e 9,9% de inadimplentes. Outro indicador que demonstra esse descontrole são os 36,7% do comprometimento da renda familiar - quando o limite prudencial apontado por educadores financeiros é de, no máximo, 30%.

Os indicadores, aliados a todos os constrangimentos causados por um nome sujo na praça, são excelentes motivos para ficar atento aos descontos oferecidos no dia de hoje - e ao longo do próximo fim de semana e segunda, pois haverá a Cyber Monday com descontos em aplicativos e produtos de tecnologia.

Além disso, é sempre bom estar atento aos golpes, preços maquiados e tudo que transforma a Black Friday em Black Fraude.

Caso caia numa cilada dessa, só resta recorrer aos órgãos de defesa do consumidor. E se o nome ficar sujo, prepare-se para as ligações de cobrança.

Lado bom de comprar muito

Mas há um lado positivo no grande volume compras. Está em vigor o Cadastro Positivo e a reputação de bons pagadores pode ficar ainda mais bem quista pelos birôs de crédito, como Serasa e SPC. O que isso significa? Melhores condições para tomar empréstimos ou comprar a prazo, como promete o varejo.

No Ceará, a nova forma de medir o score de cada consumidor pode injetar até R$ 29 bilhões na economia do Estado em dez anos a partir do acesso de 1 bilhão de pessoas ao crédito, segundo estimou a CDL de Fortaleza.

O processo já está em curso, mas as cobranças pelas promessas de benefícios aos bons pagadores existem desde já.

Pena que os consumidores não contam com um serviço de telemarketing tão insistente quanto os das lojas para fazer as promessas serem cumpridas...