Análise: Fortaleza mostra muita criação, mas baixo aproveitamento nas finalizações liga alerta

Tricolor está na final e vai em busca do bicampeonato do Estadual

ederson
Legenda: Ederson teve a melhor das chances para ampliar pro Fortaleza. Sem goleiro, jogou pra fora
Foto: Leonardo Moreira/Divulgação

Aconteceu o esperado. Foi sem muito esforço, mas também sem a facilidade que se imaginava, que o Fortaleza venceu o Guarany de Sobral por 1 a 0, na noite deste sábado (18), na Arena Castelão, e se garantiu como primeiro finalista do Campeonato Cearense. O Tricolor espera o vencedor do duelo entre Ceará e Ferroviário para saber quem enfrentará na busca pelo bicampeonato estadual.

Independente de quem seja o adversário, o Leão do Pici já sabe que terá vantagem de jogar por dois resultados equivalentes para ficar com o título.

E será a quarta final de Rogério Ceni em pouco mais de dois anos no clube.

A vitória veio, mas a expectativa dos leoninos era que acontecesse de forma mais tranquila e com um placar mais elástico. Não que o jogo tenha sido complicado e o resultado tivesse sido ameaçado. O Fortaleza foi bastante superior ao longo dos 90 minutos e o Cacíque do Vale pouco ameaçou a meta do goleiro Felipe Alves.

Com exceção de uma finalização de Leo, logo no primeiro minuto, cara a cara com o arqueiro tricolor, que defendeu com os pés, não houve nenhuma chance real de gol do time visitante.

A expectativa da torcida tricolor se deu também por levar em consideração que o Fortaleza havia goleado o mesmo Guarany de Sobral por 5 a 0, na última segunda-feira (13). Mas a diferença é que, naquele dia, o time estava com "o pé na forma". Na semifinal, não.

Foram muitas oportunidades criadas. Muitas mesmo, o que é um ponto bastante positivo. No primeiro tempo, o Tricolor poderia ter construído vantagem de ao menos quatro gols. Só Ederson perdeu duas ótimas chances, incluindo a mais clara delas, sem goleiro, após passe espetacular de Osvaldo (que jogou muito bem, diga-se).

Se não foi efetivo como finalizador, o camisa 91 ao menos funcionou como garçom, ao servir Tiago Orobó na medida para o companheiro de ataque marcar o único gol do jogo, o primeiro dele com a camisa tricolor após três jogos. Orobó chegou aos 15 gols na temporada e é o artilheiro do Brasil em 2020.

No segundo tempo, a quantidade de gols perdidos aumentou. Além de Ederson, Mariano Vázquez, Edson Cariús, Wellington Paulista, David e outros também tiveram - e perderam - chances de marcar.

Dois pontos ficaram evidentes neste jogo: a facilidade que o Fortaleza tem para envolver um adversário tecnica, fisica e taticamente inferior, criando muitas oportunidades de gols, e a falta de efetividade que demonstrou nas finalizações. Este segundo aspecto deixa o alerta ligado para que o problema não ocorra contra adversários que irão impor mais dificuldades.

Claro que o contexto pesa. Havia, talvez, uma certa "tranquilidade" por saber que o jogo estava controlado e o adversário não ameaçaria. Mas, mesmo assim, se poderia ter aproveitado melhor as oportunidades.

Destaques individuais: ninguém foi mal, mas vale destacar Osvaldo, que voltou bem; Tiago Orobó, que tirou o "peso" do primeiro gol e mostrou que pode render mais centralizado que pelas pontas; Bruno Melo (1º jogo após a retomada) também foi bem e Mariano Vázquez, que se movimentou bastante.