Análise: arbitragem foi determinante em derrota do Fortaleza para o Fluminense

Derrota por 1 a 0 acaba com série invicta de 12 partidas da equipe de Rogério Ceni. Expulsão de Roger Carvalho influenciou diretamente para o resultado

jogo
Legenda: Atuação da arbitragem gerou revolta nos tricolores
Foto: Thiago Gadelha/SVM

Chegou ao fim a sequência de invencibilidade do Fortaleza na temporada e no Campeonato Brasileiro. Eram oito jogos sem perder na competição, 12 acumulando também Copa do Brasil e Campeonato Cearense. A derrota por 1 a 0 para o Fluminense, neste sábado (31), na Arena Castelão, ocorreu pelo desempenho abaixo do Tricolor, algo que foi ainda mais prejudicado aos 9 minutos do 2º tempo.

Quando Roger Carvalho foi expulso, por falta em Felippe Cardoso, o jogo mudou totalmente. O Fluminense passou a controlar ainda mais a posse de bola (que terminou 57% x 43% para os visitantes) e foi quem ditou as principais ações na etapa final. Com um a menos, o Fortaleza foi inofensivo.

Legenda: Técnico Rogério Ceni saiu chateado com o resultado
Foto: Thiago Gadelha

O lance da expulsão, inclusive, foi equivocado. A aplicação do cartão vermelho foi bastante rigorosa até mesmo para o ex-árbitro Paulo César de Oliveira, comentarista de arbitragem que estava na transmissão do Premiere. Isso pelo fato que o atacante do time carioca sequer tinha a bola dominada e corria para tentar interceptar passe de Carlinhos para o goleiro Felipe Alves, quando foi derrubado pelo defensor leonino.

A expulsão foi determinante para a atuação aquém do Fortaleza e o resultado, mas é fato que, antes mesmo disso, a equipe do técnico Rogério Ceni já não apresentava bom futebol. No primeiro tempo inteiro, realizou somente duas finalizações, com só uma na direção do gol.

A etapa final não foi diferente, com uma equipe que, apesar de não ter entrado em campo durante a semana, demonstrou desgaste físico.

Legenda: Bergson fez a estreia com a camisa do Fortaleza
Foto: Thiago Gadelha

Romarinho, o responsável por realizar as transições rápidas, e Ronald, que vinha sendo ponto de desequilíbrio na equipe, erraram bastante na tomada de decisão e dificultaram a articulação ofensiva da equipe. A bola pouco chegou em David e Yuri César.

Nem mesmo a bola parada, que tem sido um aspecto decisivo para o Leão do Pici nos últimos jogos, teve efetividade. Cobranças de faltas e escanteios não surtiram efeito, com Rogério Ceni dando uma imensa bronca em Juninho, após o meio-campista desperdiçar a melhor chance que o time teve no jogo - falta na entrada da área, aos 5 minutos do 2º tempo, que o capitão leonino cobrou na barreira.

O gol de Wellington Silva, aos 29 da etapa final, acabou coroando a equipe que também não teve um grande desempenho, mas fez valer a vantagem numérica para ter efetividade.

O Leão do Pici agora terá mais uma semana inteira sem jogos para focar no duelo contra o Athletico-PR, no próximo sábado (7), às 18 horas, na Arena da Baixada.