Os bastidores da saída de Thiago Carleto do Ceará

Carleto foi contratado pelo Ceará em 16 de fevereiro e teve contrato rescindido em 1º de outubro

carleto
Thiago Carleto fez 12 jogos pelo Ceará e marcou dois gols Foto: J L Rosa

Na última terça-feira (19), o lateral-esquerdo Thiago Carleto, emocionado, concedeu entrevista após gol marcado no triunfo do Vitória por 2 a 1 sobre o Operário, na Série B do Campeonato Brasileiro. Na ocasião, falou que "estava em um clube onde eu talvez tenha perdido amor de jogar futebol", em referência ao Ceará, time que estava antes de se transferir ao Rubro-Negro baiano.

Dois dias depois, ao Globoesporte.com, o atleta afirmou que teve conflitos com Enderson Moreira, ex-treinador do Vovô, pessoa que definiu como de "convivência difícil" e a quem atribuiu responsabilidade pela passagem apagada que teve no clube.

As declarações são fortes. Porém, acontecem de forma infeliz, sobretudo pelo contexto da saída do atleta de 30 anos, que se deu, também, por episódios de indisciplina, conforme a coluna apurou e confirmou com diversas fontes.

Vida extra-campo de jogador de futebol não é de relevância pública, a menos que passe a interferir no desempenho dentro de campo. Foi o caso.

Na maior parte dos oito meses que ficou em Porangabuçu, Carleto esteve acima do peso e, após lesão, não atingiu a forma física considerada ideal pela comissão técnica. Este foi o motivo para não ter recebido mais oportunidades. Foram só 12 partidas.

O estopim veio em jogo que o Ceará havia viajado para atuar fora de casa contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte, no dia 29 de setembro, naquela que viria a ser a 8ª partida seguida sem vitória. O time já passava por crise e o atleta não foi sequer relacionado.

Na capital cearense, ao invés de seguir treinando e aprimorando a parte física, optou por participar de festa com bebidas alcoólicas (na companhia do atacante João Paulo), inclusive com vídeos filmados e postados em redes sociais*.

A atitude do atleta, em momento delicado do clube, que perdeu para o Galo (em derrota que culminou na saída de Enderson Moreira) obviamente não foi vista como positiva.

O Ceará fez um investimento considerável pelo jogador, a quem pagava salário superior a R$ 100 mil, e contava com ele até o fim do ano (prova é que não contratou outro lateral-esquerdo e segue somente com João Lucas no elenco), mas com atitudes que não agradavam diretoria, comissão técnica (incluindo o treinador Enderson Moreira) e nem elenco, Carleto, que chegou sob grande expectativa e não correspondeu dentro de campo, teve seu contrato rescindido dias depois.

O lateral passou a ser criticado por parte dos próprios jogadores do elenco, que condenavam suas condutas e a postura pouco compromissada com o objetivo do restante do grupo.

Os bastidores da saída de Thiago Carleto do Ceará vão além do que se poderia imaginar por suas recentes entrevistas.

*A coluna teve acesso aos vídeos, mas opta por não divulgar

**A coluna entrou em contato com a assessoria do atleta, que afirmou que não vai se pronunciar sobre o assunto