As impressões dos primeiros treinos do Fortaleza em 2020

Observações a partir dos treinos acompanhados durante a semana

ceni
Rogério Ceni inicia a 3ª temporada seguida no Fortaleza Foto: Rodrigo Gadelha/SVM

Pela correria da rotina jornalística no dia a dia e o revezamento de pautas, nem todo dia é possível ir aos clubes para acompanhar treinos. Algo que, particularmente, gosto bastante.

 

Nesta semana, porém, pude ir tanto ao Fortaleza como ao Ceará.

Observando as atividades dos técnicos Rogério Ceni e Argel Fucks, pude perceber algumas impressões e curiosidades dos trabalhos realizados por ambos em suas equipes. 

Aqui listo as do Tricolor:

1) Rogério Ceni sempre trabalhou com metodologia integrada. Desde o primeiro dia tem trabalhos com bolas, adaptando trabalhos físicos com técnicos e táticos. Foi assim também nos dois anos anteriores;

2) As atividades são sempre de muita intensidade, com cobrança de Ceni desde o início. O treinador é extremamente participativo e tem um alto nível de cobrança nos treinos;

3) Ao menos no início, Ceni tem mantido a base do esquema 4-2-4. A tendência é que se inicie o ano com o mesmo modelo de jogo de 2019;

4) Rogério já chegou a montar dois times em atividade realizada na última quarta-feira (15): F. Alves (Boeck), Gabriel Dias, Jackson, Paulão e Bruno Melo; Michel e Juninho; Romarinho, Osvaldo, W. Paulista e Coutinho / M. Wallef (Kennedy), Tinga, Quintero, João Paulo e Carlinhos; Felipe e Nenê Bonilha; Marlon, Vázquez, Ederson e Cariús. Derley era uma espécie de curinga. Não há, porém, divisão clara entre titulares e reservas. Os jogadores foram mesclados;

5) O campo, quase sempre, é encurtado. O espaço para os atletas trabalharem é reduzido. Isso gera maior compactação da equipe e faz com que se crie mais alternativas num menor espaço;

6) Praticamente todos os jogadores entendem a metodologia e os trabalhos são assimilados com mais facilidade por isso. A continuidade do técnico e dos atletas tem um peso gigante para isso. Já há um claro entrosamento;

7) Os treinos ocorrem sempre baseados em situações de jogo. Tudo tem um propósito. Busca é por mobilidade, toques curtos e rápidos (preferenciaplemte pelo chão), transições velozes, compactação e pressão o tempo inteiro. O que o time executa nos jogos é extremamente treinado (veja vídeo abaixo);

8) O gramado é sempre molhado antes e durante as atividades para que o treino fique o mais veloz possível. Isso mantém a intensidade sempre alta. É algo que Rogério Ceni não abre mão;

9) Michel é muito bom jogador. Imposição física, bom passe e muita noção de posicionamento. No toque na bola se percebe a qualidade. Certamente chega pra ser titular, não pra ser reserva. Mas quem sai? Briga será boa (ele já foi testado também improvisado de zagueiro);

10) Edson Cariús já mostrou seu ótimo senso de posicionamento, mas ainda está se adaptando. O poder de finalização tem sido algo muito positivo neste começo e já ficou bem claro. Ederson é um dos jogadores com mais disposição. Está muito motivado;

11) Mariano Vázquez tem jogado de ponta. Há uma expectativa que ele possa evoluir nesta temporada. Tem contrato e certamente será utilizado, principalmente no começo do ano;

12) Mesmo com a manutenção da base do elenco vitorioso de 2019, é nítido que ainda se precisa contratar mais jogadores de velocidade pelos lados do campo. Ao menos mais dois ou três reforços para a posição devem ser contratados;