Crises em Bahia e Sport reforçam protagonismo de Ceará e Fortaleza no Nordeste

Dos quatro representantes nordestinos, a dupla cearense surge com maior equilíbrio financeiro

Mascotes de Ceará e Fortaleza se cumprimentam na Arena Castelão
Legenda: Ceará e Fortaleza estão juntos na Série A do Brasileiro desde a temporada de 2019
Foto: Camila Lima / SVM

O futebol cearense atravessa um momento importante da história com a maior consolidação de Ceará e Fortaleza na Série A. Com contas em dia, salários pagos com rigor e soluções internas no momento de pandemia de Covid-19, o contexto mostra a importância da gestão profissional.

O caminho fora de campo deve ser mais valorizado pelo torcedor. As decisões que circundam um clube também constroem resultados expressivos e títulos. E os recentes problemas externados em Sport e Bahia, representantes do Nordeste na elite, servem como parâmetro administrativo.

Atletas de Ceará e Fortaleza disputam a bola na Arena Castelão
Legenda: Ceará e Fortaleza realizaram investimentos no elenco para a temporada de 2021
Foto: Fabiane de Paula / SVM

No caso do tricolor baiano, jogadores e demais funcionários possuem salários atrasados - em situação admitida de modo oficial pelo clube. O elenco, inclusive, decidiu não conceder entrevistas ou manter a concentração antes dos jogos até que a situação tenha solução.

Já a problemática no clube pernambucano tem impacto na pontuação. Por conta da escalação irregular de um atleta, o time pode perder pontos conquistados no Brasileirão e pagar uma multa. Isso, somado ao erro não inscrição dos últimos reforços no BID.

Robinson de Castro sorridente em entrevista, Marcelo Paz preocupado falando ao telefone
Legenda: Os presidentes Robinson de Castro, do Ceará, e Marcelo Paz, do Fortaleza, são os responsáveis pela gestão dos clubes
Foto: Arquivo/SVM

As problemáticas administrativas pode ter impacto no desempenho. O Sport é o vice-lanterna, com 17 pontos, enquanto o Bahia abre a zona de rebaixamento, em 17ª, com 23. Em cenário mais positivo, o Ceará está em 11º, com 28, enquanto o Fortaleza é o 3º, com 36.

Assim, a lição final é de contenção de gastos e medidas assertivas no âmbito interno para brigar pelos objetivos da temporada. A maior representatividade cearense na 1ª divisão nacional é reflexo também do cuidado fora de campo. O dever de casa tem sido cumprido pelas diretorias de Ceará e Fortaleza para reduzir as disparidades econômicas dos adversários e se manter competitivo.