Ceará amplia mercado, faz contratações para categorias de base e projeta revelações

Clube planeja boa campanha na Série A das modalidades Sub-17, Sub-20 e Aspirantes

Legenda: Ceará fez alto investimento para chegar forte na Série A das categorias de base
Foto: divulgação / Ceará

A diretoria do Ceará intensificou investimento na base para montar elencos competitivos nas categorias Sub-17, Sub-20 e Aspirantes. O clube mudou a política de captação e trouxe reforços para disputa da Série A em cada modalidade. A compreensão é de uma marca vitrine com potencial de resultados.

Com a manutenção dos talentos da base, o Vovô observou oportunidades de negociação, expandiu a rede de dados e trouxe destaques nacionais para aumentar nível técnico. Na lista há nomes como o atacante Eric Bahia (aposta do futebol pernambucano) e o zagueiro Fernando Dias (titular do Operário/PR aos 20 anos).

Para acrescer o nível técnico, a equipe promoveu atividades semanais com os atletas profissionais comandados pelo técnico Guto Ferreira e jogos-treinos contra profissionais: como Floresta (Série D) e Ferroviário (Série C), por exemplo.

Legenda: No Pernambucano Sub-20, Eric Bahia marcou quatro gols e deu seis assistências em 11 jogos
Foto: divulgação / Náutico

Ao todo, foram oito contratações - os reforços para o Sub-17 estão em etapa final de negociação. Na busca, o Ceará usou o setor de captação para mapear promessas. Como apresenta equilíbrio financeiro e estrutura para sequência da base, surge como opção para jogadores possuírem calendário atrativo.

Confira lista de reforços do Ceará para as categorias de base:

  • ZAG - Fernando Dias (Operário-PR) | 20 anos
  • ZAG - Nailton (Atlético-CE) | 20 anos
  • LAT - Buiú (Santo André) | 24 anos
  • VOL - Geovane (Ituano) | 21 anos
  • MEI - Arlonso (Ferroviário) | 19 anos
  • MEI - Bolota (Guarany de Sobral) | 20 anos 
  • ATA - Eric Bahia (Náutico) | 19 anos
  • ATA - Levi (Atlético-CE) | 19 anos

"Temos elencos nos Sub-20 e Sub-23 com calendários apertados, por isso a necessidade de ir ao mercado para fortalecer os times. Temos um setor de captação na base e realizamos reuniões semanais, observando condições e características e condições dos atletas para minimizar o erro", explica Israel Portela, diretor de futebol amador do clube.

A fórmula rendeu a chegada do zagueiro Lacerda em 2019. O Vovô contratou o zagueiro de 19 anos com o Palmeiras apostando na evolução: o atleta agora atua no profissional. Vale ressaltar que o departamento trabalha antecipando os atletas das categorias, ou seja, o plantel do Sub-23 é montado com o Sub-20 para amadurecer e desenvolver os jovens.

No processo da captação, o clube trabalha com três frentes:

  • Projeto Piloto | qualquer atleta pode entrar em contato com o clube, preencher um formulário de cadastro e participar de uma teste que dura entre 1 e 3 semanas. A cada sete dias, o avaliador técnico avança ou reprova o jogador até conquistar oportunidade no time da respectiva categoria.
  • Futsal + Interior | os profissionais do time frequentam projetos sociais no interior do Estado para indicação de possíveis talentos. O futebol de salão é envolvido na análise e, com o método Futebol Total, capta jovens que seguem treinos entre futsal e futebol.
  • Banco de dados | um serviço de inteligência do clube monitora possíveis reforços em adversários e competições. As informações obtidas envolvem valor de mercado, perfil tático e técnico, aplicação de fundamentos e, em caso de empresários, divulgação de vídeos.

O alto grau de cobrança nos requisitos é um pedido do departamento de futebol e do presidente Robinson de Castro. No ano passado, o Vovô venceu oito competições e foi eleito por um site especializado como a melhor na categoria de base da região Nordeste.

O trabalho está longe de apostas, requer metodologias próprias, além de investimentos em estrutura e pessoal. A vantagem: a descoberta de um único Arthur Cabral quita custos e retorna em direitos econômicos e de formação.