Saiba quem é o bilionário russo interessado em investir no Fortaleza

Segundo a Forbes, o empresário está entre os 30 mais ricos da Rússia

ivan
O russo comprou 51% dos direitos do PAOK em 2012 por R$ 45 milhões. Aliado do presidente Vladimir Putin, o bilionário já protagonizou confusões dentro de campo Foto: SAKIS MITROLIDIS/AFP

Ivan Ignatyevich Savvidis. O nome vem da Rússia, mas faz parte do vocabulário do torcedor do Fortaleza desde a última semana. Envolvido com política, futebol e comércio, o empresário de 60 anos se mostrou interessado em investir no clube cearense e causou furor nas redes sociais.

O fato é que a negociação existe, um contato inicial foi firmado - enquanto torcidas de outros times brasileiros invadem as contas do russo solicitando aporte financeiro para times como Cruzeiro e Vasco. Mas quem é o cidadão? O primeiro ponto: Ivan é dono do clube grego PAOK

Na verdade, fez a aquisição de 51% das ações do time em 2012, gastando o equivalente a R$ 45 milhões. Afundado em dívidas, a instituição estava próxima da falência quando o empresário quitou todas as pendências fiscais, em investimento de R$ 46 milhões. 

O curioso é que a motivação da compra teria sido uma resposta política. “Temos que deixar algo claro para os que estão em Atenas: o que fizeram conosco nos tornou mais fortes”, afirmou em entrevista ao jornal PubliSports.

Isso porque a população da Salônica, região em que fica a sede do time, é ressentida com o Governo por se considerar ignorada das decisões. Antes de Ivan, inclusive, um clube fora de Atenas não ganhava o título nacional há três décadas.

Assim, a chegada na instituição veio junto de anúncio de reforços e melhorias em infraestrutura. Apenas no Centro de Treinamento, o valor gasto foi de 63 milhões de euros (cerca de R$ 289 milhões). Um crescimento de patamar que fez do clube o atual tricampeão da Copa da Grécia. 

Com a nova gestão, o PAOK voltou a conquistar o título nacional na temporada 2018-2019, após 34 anos de jejum. A taça foi obtida de forma invicta, sendo considerada a melhor campanha da história do futebol grego.

Dentre as mudanças na caracterização do clube, Ivan solicitou apenas que o escudo tivesse um contorno dourado. Já referente ao estádio Toumba, acrescentou melhorias, mas aprovou em 2018 uma projeto para construção de um novo equipamento que irá expandir a capacidade de 23 mil para 40 mil espectadores.

O interessante é que o PAOK é o 2º time de Ivan. Antes, o mandatário havia se tornado presidente do modesto Rostov, da Rússia, entre os anos de 2002 e 2005.

Tudo sendo possível por uma fortuna que o coloca entre os 30 mais ricos da Rússia. A informação é da Forbes, que estima o montante financeiro do empresário em R$ 6,37 bilhões.

Amor de família

A paixão pelo futebol não é exclusividade. O filho de Ivan, Giorgos Savvidis, é um grande admirador do futebol brasileiro e já havia cogitado realizar um investimento na América do Sul.

Juntos, a dupla ascendeu na Rússia e no meio esportivo, uma vez que são sócios declarados. Com vasto empreendimento, a família trabalha com empresas ligadas ao tabaco, comércio de carne e produtos agrícolas. Na Grécia, ainda fez a aquisição de um grupo de comunicação.

No circuito imobiliário, atuam na administração do Palácio da Macedônia e do Porto Carras, dois dos hotéis gregos mais prestigiados e famosos. Por fim, a influência se estende ao cenário político, com Ivan guardando uma patente de Major e sendo eleito na Assembléia Legislativa de Oblast de Rostov, em 1998 e 2003.

A principal aliança dos Savvidis é justamente com Vladimir Putin, atual presidente da Rússia. O contato existe porque o empresário já atuou como deputado no partido liderado pelo chefe geral.

Polêmica extracampo

A carreira de sucesso nos negócios ofusca um temperamento fervoroso de Ivan Savvidi. Com trajetória militar e porte de arma de fogo, o empresário está atualmente suspenso de assistir partidas in loco do Campeonato Grego por ter ameaçado um árbitro.

O fato em questão ocorreu em 2018. Durante o clássico em casa com o AEK, então líder da competição, a equipe do PAOK teve um gol mal anulado aos 45 minutos do 2º tempo. 

A decisão da arbitragem causou revolta de atletas e comissão técnica. Assistindo ao jogo da beira do gramado, Ivan invadiu o gramado, paralisou a partida e fez ameaças. “Sua carreira como árbitro terminou”, teria dito o empresário ao juiz Manolo Jimenez em meio a confusão.

A cena fez a FIFA cobrar sanções da Grécia e ameaçar eliminar o país de torneios europeus. Após mudanças no regulamento e medidas de segurança, a federação optou por não prender Savvidis, mas puni-lo com três anos de suspensão de atividades esportivas na Grécia. Já o PAOK perdeu três pontos na tabela de classificação.

No mesmo ano, o magnata foi alvo de acusações criminosas por parte de Zoran Zaev, primeiro ministro da Macedônia. O político afirmou que Ivan pagou populares para incitar tumultos contra um tratado local, mas as investigações não foram conclusivas.