Bilionário russo aguarda aval fiscal para avançar em negociação com Fortaleza e quer visitar clube

Um grupo de advogadores estuda a legislação brasileira para sinalizar sobre a viabilidade do negócio

Ivan
Na lista de critérios observados, Ivan considera o time cearense vantajoso também pela proximidade da Capital com a Europa Foto: AFP



Um interesse que se transformou em contato e ganhou peso por conta de um vídeo. O panorama é o da negociação entre o Fortaleza Esporte Clube e o empresário russo Ivan Savvidis, que tem o desejo de investir esportivamente em uma nova equipe além do PAOK, instituição de futebol da qual é proprietário na Grécia.

Em busca de inserção no mercado da América do Sul, o bilionário - com fortuna estimada em R$ 6,37 bi pela Forbes - conheceu o Leão através da festa da torcida tricolor na Arena Castelão após o encerramento da Série A do Brasileiro. Mosaicos, show pirotécnico, lotação e uma atmosfera que fez o alvo ser definido.

Hoje, o único time consultado para o aporte financeiro é o Fortaleza. Muito pela influência dos irmãos Eduardo e Leonardo Cornacini, agentes de atletas e responsáveis pela empresa LEFT Sports. Amigos da família Savvidis, a dupla brasileira exibiu um material do time cearense durante encontro na Grécia, em dezembro.

“Nós sabíamos do interesse deles em investir, desde agosto que estudam um novo negócio, e o Brasil era o campo. A festa (do Fortaleza) contra o Bahia foi fundamental para a definição das prioridades de análise porque o Ivan gosta do calor da torcida, de time de massa, estádios lotados, além do resultado esportivo, que o Fortaleza teve bastante em 2019”, explicou Eduardo.

Na lista de critérios observados, os russos consideram o time cearense vantajoso também porque:

  • Tem uma diretoria com gestão responsável (orçamento recorde, forte plano de sócio-torcedor e contas em dia)
  • Atua na Arena Castelão, um estádio de Copa do Mundo (palco de um jogo da Grécia em 2014)
  • Segue com Rogério Ceni no comando (a manutenção de um ídolo é tida como importante)
  • A capital Fortaleza, das brasileiras, é a mais próxima da Europa, com distância de 5.608 km de Libsoa, em Portugal (o Aeroporto tem voos diretos)

Pela facilidade do idioma e a experiência no cenário nacional, os irmãos Cornacini assumiram a moderação do acordo - sendo inclusive os que conversaram inicialmente com o presidente do clube, Marcelo Paz. Não há nenhuma proposta oficializada até o momento. O avanço no trâmite depende agora do setor fiscal das empresas.

O departamento, com um grupo de advogados, estuda a legislação brasileira para sinalizar sobre a viabilidade do negócio. Inicialmente, o objetivo é realizar a aquisição do Fortaleza. Caso não haja nenhuma possibilidade, há formatos de parceria observados - entre patrocínio Master, co-gestão ou intercâmbio de atletas -, mas são planos alternativos.

Visita ao Pici

Bilionário Russo
Filho de Ivan, Giorgos é fã do futebol brasileiro e deve viajar para a capital cearense Foto: divulgação / PAOK

Desde que a possível aliança entre o Fortaleza e o conglomerado da família Savvidis foi noticiada, equipes da Áustria e de Portugal se manifestaram dispostas a receber o investimento, incluindo a venda de ações. No entanto, o principal interessado no Leão é o filho de Ivan, Giorgos, que é fã do futebol brasileiro.

Caso o aval fiscal seja positivo, o herdeiro, que é sócio do pai, pretende visitar a sede tricolor em fevereiro para ver o nível de infraestrutura do time, a estrutura do Centro de Excelência, e intensificar os diálogos. O empresário Leonardo Cornacini deve acompanhá-lo para intermediar o contato.

O contato só será possível pela disposição do presidente Marcelo Paz em aceitar ouvir a proposta, apesar de sempre ressaltar que o Fortaleza é a prioridade - reação que agradou ao magnata por demonstrar cuidado com o clube e a história. A família Savvidis também sabe da inclinação inicial de parte da diretoria tricolor em não permitir a venda da instituição.

"O Ivan entende que o Fortaleza chegou ao que é hoje, ascensão rápida nos últimos anos, com as próprias forças. Ele respeita muito isso porque tudo ocorreu através dos próprios profissionais que ainda estão lá, com gestão qualificada. Tudo isso encanta muito e, com o dinheiro da família, podem transformá-lo em uma grande potencia do futebol brasileiro", declarou Eduardo.

Mesmo sem definição sobre a forma de parceria, há um consenso de ambas as partes de que o clube não pode perder a tradicional caracterização, como as cores vermelho, azul e branco, o nome ou mesmo a cidade sede. O fato é: logo após o ano mais vitorioso da história do clube, o 2020 também deseja se eternizar na memória do tricolor.

Em tempo I: não existe proposta oficial. o presidente do Fortaleza, Marcelo Paz foi contatado pelos empresários brasileiros Leonardo e Eduardo Cornacini para apenas formalizar que havia interesse em um negócio futuro, sem que fosse firmado prazos ou contratos.

Em tempo II: o empresário Ivan Savvidis costuma ser muito presente quando realiza um investimento. O russo tem como característica interferir no processo de gestão sem mediadores, com contato direto na empresa ou clube em questão.