O tempo da paixão


“O tempo da paixão ou o desejo é um lago azul”, espetáculo da Cia. da Arte Andanças, trata sobre o desejo, e um tanto assim de sentimentos/impressões/ coisas que o perpassam e que são perpassados por ele. É livremente inspirado no trabalho do artista visual Leonilson (1957 – 1993), cuja obra inspira pela intensidade, inscrita na própria carne. Para Leonilson, a obra é corpo: o que vai sendo bordado, costurado e sangrado é a própria vida.

O espetáculo estreou em 2004 no Alpendre – Casa de Arte, Pesquisa e Produção, Praia de Iracema. Em 2005, esteve em pequena temporada no Museu de Arte Contemporânea (MAC) do Dragão do Mar. O MAC recebeu do Projeto Leonilson a doação da obra “Montanha sob a neve”, a primeira do artista a integrar o acervo do museu. O espetáculo foi remontado em 2011, junto à mostra “Sob o Peso de meus Amores”, no Itaú Cultural (SP), retrospectiva de Leonilson com a curadoria de Ricardo Resende e Bitu Cassundé.

Agora em 2019, remontado por iniciativa dxs bailarinxs Carlos Antônio dos Santos, Márcio Medeiros, Possidônio Montenegro e Sâmia Bittencourt, tocadxs pelo projeto Andanças 30 Anos. O projeto se realiza com uma série de ações que são, sobretudo, modos possíveis de organizar encontros, culminando, em 2021, com o lançamento de uma plataforma-arquivo sobre a companhia e sua trajetória iniciada em 1991.

A criação em dança que surge a partir da criação em artes visuais é uma das passagens, travessias que o Andanças leva à cena em tempo de pensar o porvir, apreciando um acervo construído em estado de encontro. Encontro de intérpretes-criadorxs, encontro com outras criações e linguagens, encontro com a experiência de cidade, encontro com o público, com os públicos.

A sessão d’O Tempo da Paixão na Casa Absurda, Aldeota, dia 7, é um sim ao desejo de encontro. Para experimentar como fina matéria toda vida que couber em nós.