Nada será como antes, amanhã

A música de Milton Nascimento - "Nada será como antes" nunca foi tão atual. Vivemos um momento único onde o mundo busca solução para o inimigo invisível. As perdas humanas crescem a cada dia e as pessoas e empresas com suas inteligências individuais e coletivas ressignificam relações, crenças e práticas.

Nesse instante, uma mudança cultural ganha velocidade e com ela a transformação digital. Todos buscam se adaptar, certos de que o momento, a princípio visto como passageiro, poderá ser mais extenso do que imaginamos.

O movimento do "fique em casa" exigiu dos consumidores a adoção de tecnologias a fim de superar as limitações de circulação impostas. Apesar do mundo estar "em casa", nunca estivemos tão conectados.

O ambiente doméstico ganha destaque e nele muitos passaram a trabalhar, estudar, além das atividades do lar. Os trabalhadores precisaram aprender a utilizar as tecnologias e se adaptar à nova rotina. Já os consumidores vêm superando as barreiras de adoção de modelos de compra on-line, tornando a prática cada vez mais cotidiana.

Nesse contexto, surgem oportunidades para o varejo e o setor de serviços, pois em casa as pessoas, através das plataformas on-line, buscam solucionar seus problemas e assim vários bens e serviços são adquiridos.

Para proporcionar experiências positivas ao consumidor, as empresas precisam adotar o conceito omnichannel: estar presente em diversos canais e de forma integrada. A criatividade, parcerias e adoção de soluções de inovação com startups são possibilidades de avanço rápido para o mundo digital.

Concluímos refletindo que as pessoas e empresas precisam atualizar suas competências e superar as fragilidades evidenciadas através das novas formas de trabalho, estudo e consumo. É preciso reaprender, experimentar e não temer o novo. "Qualquer dia a gente se vê/ Sei que nada será como antes, amanhã".

Marilia Marinho de Andrade Oliveira

Coordenadora de graduação e pesquisa da Faculdade CDL