Diabetes x adolescência

Anne Morais é jornalista
Legenda: Anne Morais é jornalista

A adolescência é uma fase difícil para o ser humano, pois além de ser um período de transição é também um momento de muitas mudanças que ocorrem nos aspectos físicos, cognitivos, emocionais e sociais. Quando o adolescente é afetado com uma doença crônica, como por exemplo a diabetes mellitus, este enfrentará situações adversas que causam conflitos no dia a dia.

O diabetes mellitus tipo I, que acomete em geral crianças e adolescentes, é uma doença que pode ser administrada através de quatro pilares básicos: insulino-terapia, dietoterapia, monitorização do controle glicêmico e exercício físico. Contudo, à frente dessas considerações, o adolescente sente-se limitado pela doença em si e pelas restrições, fazendo surgir o sofrimento voluntário e, muitas vezes silencioso.

A família, no entanto, vive preocupada e ansiosa em relação ao tratamento, temendo as complicações imediatas e tardias quando o adolescente não segue as orientações médicas corretamente. Lidar com a parte prática do tratamento do diabetes não é fácil, mas não é o fim, porém torna-se difícil para a compreensão do adolescente - a dieta é vista como vilão. Logo chega à chateação, a falta de vontade de comer, dentre muitos outros pontos.

O aumento do número de injeções de insulina é motivo de grande sofrimento para o adolescente. A autoaplicação de insulina pode sufocar o paciente nesta faixa etária, podendo haver negligência na administração. Cuidado! As complicações agudas do diabetes, como hipoglicemias e hiperglicemias, são ocorrências que podem sobrevir no dia a dia. O adolescente, em geral, preocupa-se mais com a hipoglicemia, porque esta, quando severa, pode acarretar desmaios, convulsões ou comportamentos inadequados, trazendo muito constrangimento.

No início da doença, o adolescente desconhece a dimensão exata do que significa ter diabetes e quais serão suas consequências. No entanto, com o passar do tempo, ele reconhece que para ficar bem necessita seguir o tratamento prescrito, conscientizando-se sobre a sua condição. A aceitação é um momento muito importante e esperado por todos, sobretudo os parentes mais próximos.

Anne Morais é jornalista