Retorno às atividades é debatido entre setor produtivo e Governo

Empresários temem perdas ainda maiores com quarentena, mas titular da Pasta de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Maia Júnior, ressalta que ações têm sido tomadas para mitigar efeitos econômicos da pandemia de coronavírus

Legenda: Decreto que determinou quarentena está previsto para ser encerrado na terça (5), mas pode ser prorrogado
Foto: Foto: Paulo Alberto

Diante dos impactos negativos causados pela paralisação da atividade econômica por conta do coronavírus, entidades do setor produtivo cearense (comércio, indústria e agropecuária), pleiteiam o retorno gradual do funcionamento das empresas já nos próximos dias. Porém, o secretário de Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Estado, Maia Júnior, pondera ser preciso seguir um protocolo para garantir a segurança da população antes de retomar as atividades.

"Entre 67% a 70% das atividades que compõem a economia cearense estão livres para produzir. Quase todos os dias o Governo libera decretos para mitigar esses efeitos", aponta o secretário.

"Há uma sequência de etapas a serem cumpridas, como um protocolo. O Governo está liberando medidas para a Saúde, no sentido de minimizar o sofrimento da população, está cuidando de medidas para beneficiar os mais pobres, as micro e pequenas empresas. Quando chegar no achatamento dessa curva (de casos de infectados), o restante também será liberado e vai ter um plano de recuperação".

Integrantes do "Comitê de Crise", criado pelo Governo Estadual, a Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL), e da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (Faec) apresentaram ao governador Camilo Santana proposta de "mini-mização dos efeitos devastadores ocasionados nas empresas cearenses com as medidas de contenção adotadas".

Para o presidente da Fecomércio-CE, Maurício Filizola, o ideal seria que as empresas retomassem as atividades a partir da próxima semana, com menor utilização do quadro de funcionários e preservação de pessoas com mais idade. "É necessário realmente a volta da normalidade aos poucos. É claro que a gente tem que estar atento às normativas da saúde pública. É claro que com uma proteção para as pessoas acima de 60 anos, para aquelas que têm doenças já mais avançadas, para que a gente proteja essa população que possa sofrer mais com o coronavírus, mas o restante a gente tem que ir aos poucos normalizando", diz.

O presidente da Fecomércio-CE avalia que, num primeiro momento, seria possível realizar uma alternância entre funcionários dentro das empresas, com cerca de 50% do efetivo. "Assim, aos poucos, a gente vai atendendo à população, porque não podemos parar o País", disse.

"Há uma preocupação muito grande com a questão da manutenção dos empregos. Principalmente, porque o nosso mercado (comércio e serviços) é composto por micro e pequenas empresas. E, para honrar com os compromissos com folha de pagamento, fornecedores e impostos, é necessária a comercialização de produtos e de serviços".

Já o presidente da Faec, Flávio Saboya, destaca que a suspensão temporária do transporte intermunicipal fez com que a entidade interrompesse as ações de capacitação do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e que, na segunda-feira (30), uma reunião avaliará o possível retorno das atividades.

Medidas

Dentre as medidas já adotadas para amenizar os efeitos das paralisações, Filizola diz que o adiamento das obrigações tributárias ajuda, mas não resolve o problema das empresas. "Neste momento, as empresas não estão faturando e, se não faturam, elas não têm imposto a pagar. Além disso, há o compromisso com os colaboradores, que é muito importante honrar", disse.

No documento, os presidentes das entidades afirmam que têm "a convicção de que, o alinhamento da defesa intransigente que fazemos de nossas categorias e a sensibilidade e serenidade com que o governador Camilo Santana tem tratado essa questão do novo coronavírus, resultarão em notícias promissoras para os empresários e empresárias cearenses a partir do fim da presente semana". Uma nova reunião das entidades será realizada até sexta-feira (27).

O decreto estadual que determinou o fechamento de estabelecimentos comerciais está previsto para ser encerrado no domingo (29), mas pode ser prorrogado. Segundo Maia, ainda não há decisão sobre essa questão.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios