Pandemia: motoristas de aplicativos precisam "se virar" para complementar a renda, em Fortaleza

Entre bicos e transporte de mercadorias, motoristas tiveram que procurar outras atividades para se sustentar em meio à queda de corridas de passageiros

Legenda: Para auxiliar os motoristas das plataformas neste período, os aplicativos Uber e 99pop lançaram em Fortaleza, uma categoria, em que o cliente pode optar por enviar apenas objetos,
Foto: JL Rosa

Com o isolamento social ocasionado pelo novo coronavírus, a procura pelos serviços de locomoção por aplicativo foram quase inexistentes em Fortaleza, segundo motoristas das plataformas. Mesmo com a retomada gradual das atividades, o fluxo de viagens ainda é insuficiente para que esses profissionais se sustentem. Para conter os prejuízos, os motoristas tiveram que se reinventar neste período.

Quem deixou de trabalhar apenas com as plataformas de locomoção foi o motorista Fábio Matos. Ele conta que, logo no início da pandemia, teve que devolver seu carro para a locadora por não conseguir pagar as despesas do veículo. Neste período, ele passou a ter alguma renda com prestação de serviços, como descarregar caminhões de empresas alimentos. 

"Durante o pico da pandemia, eu tive que entregar o meu veículo e fiquei sobrevivendo de bicos. Fui fazer o que tinha, que era descarregar caminhão de empresas de alimentos. Não tava dando pra suprir nada com as viagens pelos aplicativos, era tudo muito fraco", conta.

Hoje, ele ainda continua prestando serviços a empresas alimentícias, mas já retornou, gradualmente, a atuar para as plataformas de locomoção.

"Eu estou fazendo as duas coisas, porque nessa retomada não mudou muita coisa, mesmo com os estabelecimentos abertos, o pessoal está sem dinheiro, o fluxo tá fraco".

Um outro motorista, que preferiu não se identificar, também relata como precisou "se virar" durante a pandemia, . Sem ter como manter as despesas familiares, ele passou a fazer entregas para suprir os gastos.

"Está bem complicada minha situação, faz uns 3 a 4 meses que eu estou fazendo entrega, não é um serviço que vale muito a pena, porque o meu veículo é voltado para o transporte de pessoas e não de cargas. Mas, com essa pandemia, eu não faço nada nos aplicativos porque as pessoas não estão saindo", comenta.

Única fonte de renda

A situação também é complicada para o motorista Rafael Maia, para quem dirigir pelos aplicativos era a única fonte de renda;

"A minha situação é um pouco complicada, porque eu fui bloqueado em uma das plataformas e foi bem nesse momento atípico pra todo mundo", relata.

O motorista conta que, mesmo antes da pandemia. a quantidade de corridas que fez pelo aplicativo já tinha caído 30%. Após as medidas de isolamento, a procura de viagens foram quase nulas. 

"Antes já estava muito difícil, porque a maior demanda de pedidos da plataforma, em Fortaleza, são dos turistas. Além disso, a própria locomoção dos moradores tinha caído. Com a pandemia, a procura praticamente zerou. Antes eu fazia cerca de R$ 1.800 por semana, com a pandemia eu passei a fazer R$ 200, isso eu trabalhando 12 horas diárias", comenta. 

Sem passageiros

Para auxiliar os motoristas das plataformas neste período, os aplicativos Uber e 99pop lançaram em Fortaleza, uma nova categoria para transportar apenas objetos, evitando o contato entre os passageiros e os motoristas.

"Desde o início da pandemia, a 99 vem monitorando o cenário e buscando alternativas para minimizar os impactos nos ganhos dos motoristas parceiros. Por isso lançou em Fortaleza, o 99Entrega, uma nova categoria dentro do aplicativo que permite o envio de objetos pessoais de forma simples, segura e rápida, sem contato entre passageiro e o motorista parceiro", relata a empresa, em nota.

"No Uber Flash, usuários podem solicitar a motoristas parceiros viagens para o transporte de objetos como pacotes, presentes, documentos e outros artigos pessoais, de porte médio ou pequeno, que possam ser acomodados com segurança no porta-malas do veículo. Para minimizar o contato físico, a recomendação é usar o chat do aplicativo para conversar com o motorista parceiro e fornecer mais orientações para o envio, se necessário.A categoria foi lançada com o objetivo de colaborar com o distanciamento social durante a pandemia de coronavírus, e ao mesmo tempo possibilitar uma opção complementar de ganhos para os motoristas parceiros", comenta a empresa, em nota.

Veja como funciona os serviços:

UBER 

O Uber Flash funciona como o UberX, mas ao invés de solicitar uma viagem para o seu deslocamento, você solicitará para enviar um item:

  1. Abra o aplicativo da Uber e digite o ponto/endereço de retirada e de entrega do item que você deseja enviar.
  2. Selecione a opção Uber Flash, reveja as regras, e confirme o envio.
  3. Esteja com o item pronto para entregar ao motorista parceiro e informe, via chat do aplicativo, o nome do destinatário e as orientações para a entrega. Quando o motorista parceiro chegar, você deve entregar o item a ele.
  4. Compartilhe a viagem com o destinatário que irá receber o item para que ele possa seguir os detalhes do envio em tempo real.
  5. Não é permitido enviar itens de valor ou cujo transporte seja proibido por lei ou pelas regras da categoria. Antes de cada solicitação, as regras do Uber Flash serão exibidas no aplicativo para que o usuário possa verificar e concordar antes de seguir com o pedido.

99ENTREGA

A nova categoria ficará disponível no aplicativo para passageiros e motoristas parceiros das 6h às 23h

  1.  Ao solicitar o serviço, o usuário deve enviar, via aplicativo, o nome do destinatário e demais orientações sobre a entrega.
  2. Quem requisita deve depositar o pertence diretamente no porta-malas ou banco traseiro do motorista parceiro. Ou seja, o solicitante não precisará manter nenhum contato físico, o que garante ainda mais segurança para ambos.
  3. Entre os requisitos para os itens serem enviados estão: respeitar todas as leis vigentes, limite de peso de 10kg e caber no porta-malas de um veículo 99Pop.
  4. Além disso, o objeto não pode ultrapassar o valor de R$ 500,00. A categoria está habilitada para pagamentos in-app, como cartão de crédito ou PayPal.

Assuntos Relacionados