Oportunidades de estágio crescem 212% no Ceará

Com a retomada de alguns setores da economia, empresas voltam a contratar. Candidatos precisam estar atentos sobre as novas tendências do mercado

A oportunidade de experimentar o mercado de trabalho através do estágio foi um desejo adiado para muitos estudantes cearenses por conta da pandemia do novo coronavírus. Com a retomada das atividades econômicas no Estado, o número de vagas cresceu cerca de 212% em junho frente a abril, segundo dados do Centro de Integração Empresa-Escola no Ceará (CIEE-CE).

Em abril, primeiro mês completo das medidas de isolamento social no Estado, havia 95 vagas de estágio disponíveis aos estudantes. Em junho, esse número deu um salto e chegou a 297, mais que o triplo que no começo da pandemia.

Também cresceram as vagas de aprendizes, que são direcionadas a jovens de idade entre 14 e 24 anos. Eram 57 vagas em junho, 54% a mais que em abril (37)

Além dos desafios de se conseguir uma oportunidade, os novos profissionais precisam estar atentos para as novas tendências e modelos do mercado de trabalho que foram impactados a pandemia. Segundo Cláudio Moreira, supervisor do CIEE Fortaleza, isso envolve tanto adequações tanto de forma pessoal como profissional.

"O home office tornou-se uma realidade, por exemplo, e pode impactar até no vestuário dos funcionários que antes iam vestidos com a identidade visual da organização para a empresa. É bom que, nesse período, o jovem esteja se capacitando não só técnica, mas ainda pessoalmente. É tempo de mudar de rota também, se achar interessante", orienta o supervisor.

O estagiário de Direito Vito Thierry conta que para trabalhar em regime de teletrabalho é preciso de inovação e  readequação. "O interessante de estar na pandemia, é que você tem que inovar, principalmente em relação ao teletrabalho. Eu estou tendo que me readaptar, buscar novos métodos. Tudo é um conhecimento muito válido, porque uma situação dessa (de pandemia) pode ocorrer em vários momentos e essa experiência pode auxiliar até no futuro como profissional", pontua.

Perdas no semestre

Mesmo com a breve melhora nas ofertas em junho, o mercado de estágios cearense acumula perdas de quase 30% ao longo do semestre, segundo aponta dados do CIEE e do Instituto Euvaldo Loudi (IEL/CE). No primeiro semestre do ano passado, eram 4.674 vagas disponíveis a estagiários. Nesse semestre, com a pandemia, o número caiu a 3.291.

A queda foi ainda mais intensa entre as ofertas para aprendizes no período. Nos primeiros seis meses de 2020, foram abertas 906 oportunidades, quase metade (48,43%) do volume de vagas disponíveis em igual período de 2019 (1.757)

Para Moreira, as perdas no Estado tiveram um resultado similar ao número visto em toda região Nordeste, que de janeiro a junho, acumulou perdas de 27,9% na oferta de vagas de estágio. 

"A gente observou efetivamente uma retomada dos setores econômicos em junho. O decréscimo do comparativo dos semestres ocorreu porque o mês de abril, no auge da crise da pandemia, foi muito fraco. O Ceará se manteve, ainda assim, com números similares aos observados no Nordeste", comenta Cláudio Moreira, supervisor do CIEE Fortaleza. 

Segundo o IEL, no semestre, os segmentos de Educação Física, Engenharia Mecânica, Engenharia de Produção, Engenharia Ambiental e Pedagogia foram o que mais sofreram com a pandemia. Já para o CIEE, os segmentos voltados para comércio, indústria e serviços foram os mais prejudicados.

Os segmentos de Direito, Administração, Enfermagem, Logística e dos ramos alimentícios foram os menos afetados com a pandemia. Segundo Mariana Fortaleza, da área de trilhas de carreira do IEL, neste período de retorno das atividades econômicas, as áreas que mais buscam estagiários são: Administração, Engenharia de Produção, Ciências Contábeis, Direito e Informática.

Para consultar as vagas abertas, acesse: https://portal.ciee.org.br/ e http://www.portaldaindustria.com.br/iel/

Você tem interesse em receber mais conteúdo de negócios?