Número de pedidos de recuperação judicial é o maior em dez anos

Micro e pequenas empresas estão sendo as mais afetadas pela recessão econômica

Com 1.235 solicitações entre janeiro e agosto de 2016, o número de pedidos de recuperação judicial cresceu 61,2% e alcançou patamar recorde, sendo o maior em dez anos. Os dados, que fazem parte do Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações, revelam que as micro e pequenas empresas estão sendo as mais afetadas pela recessão: do total de pedidos, 741 foram requeridos pelo segmento.

As empresas de médio porte fizeram 317 solicitações, já entre as grandes empresas, foram 177 pedidos. De acordo com Renato Carvalho Franco, presidente do capítulo brasileiro da Turnaround Management Association (TMA), associação voltada a desenvolver práticas de reestruturação de empresas, o aumento nos pedidos de recuperação está diretamente relacionado à crise econômica.

"A combinação de queda expressiva na atividade econômica, manutenção de juros em patamares altos, queda na oferta de crédito para empresas e consumidores, e forte redução na capacidade de geração de caixa, tem levado as empresas a buscarem renegociar suas dívidas com credores. Nos casos em que isso não foi possível, restou aos empresários a busca da proteção da lei de recuperações, para renegociar e reestruturar suas dívidas", explica o especialista, que vê ainda um possível aumento do número.

"Muitas empresas continuam no limite ou acima de sua capacidade de endividamento e alavancagem financeira e conseguiram apenas um fôlego junto aos seus credores, mas continuam altamente endividadas e talvez não consigam escapar de um pedido de recuperação judicial nos próximos meses", conclui Renato.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de negócios?