Moodys rebaixa perspectiva para bancos brasileiros por crise do coronavírus

O ambiente de retração econômica, com o declínio da renda familiar e o aumento do desemprego, tende a reduzir a capacidade de pagamento dos tomadores de crédito

Legenda: Os beneficiários que receberam o crédito do auxílio na Poupança Social Digital já podem efetuar o saque do benefício em espécie
Foto: Foto: Fabiane de Paula

A Moody's rebaixou nesta sexta-feira (17) para negativa a perspectiva para o sistema bancário brasileiro, projetando imactos significativos no setor por conta da crise do coronavírus.

A tendência, segundo a agência, é que as condições operacionais dessas instituições se deteriorem até o segundo semestre de 2021, pressionando negativamente a qualidade dos ativos.

Segundo a vice-presidente sênior da Moody's, Ceres Lisboa, o ambiente de retração econômica, com o declínio da renda familiar e o aumento do desemprego, tende a reduzir a capacidade de pagamento dos tomadores de crédito, situação que deve elevar a inadimplência e os custos dos empréstimos.

"À medida que a economia contrai em resposta às medidas do governo para restringir a circulação e controlar o avanço do coronavírus, a demanda por crédito e o volume geral de negócios diminui, impactando a receita dos bancos. O declínio econômico também sinaliza ser mais provável que os juros baixos persistam por um período prolongado", afirmou a executiva.

As medidas do Banco Central para o sistema financeiro e para o estímulo à economia ainda não têm efeitos visíveis. Além da medida que permite que a autoridade monetária empreste recursos aos bancos tomando letras financeiras como garantias, outras ações de injeção de liquidez, como a liberação de recursos de depósitos compulsórios -parte do valor de depósitos bancários recolhida pela instituição financeira que vai para o BC- e a criação de uma linha de crédito voltada para a folha de pagamento de pequenas e médias empresas também fazem parte do escopo de medidas do Banco Central.

Em nota, a Moody's afirmou que as medidas e políticas de apoio por parte do governo ajudarão a manter a liquidez adequada para os bancos e que a dinâmica de captação deve se manter baseada em depósitos bancários, uma vez que a aversão ao risco é crescente também entre os investidores.

"A Moody's continua avaliando que a probabilidade de suporte do governo a bancos sistemicamente importantes é alta. Medidas recentes relacionadas ao surto do coronavírus ocorreram em momento oportuno e foram equilibradas, refletindo a disposição das autoridades de proteger a estabilidade financeira", disse a agência em nota.
 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios