Mais de mil pedidos de recuperação judicial são registrados

As micro e pequenas empresas lideraram os requerimentos de recuperação judicial do com 657 pedidos

Mais de mil pedidos de recuperação judicial se acumulam neste ano, segundo dados do Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações. De janeiro a julho de 2016, ocorreram 1.098 pedidos de recuperações judiciais, 75,1% a mais do que o registrado no mesmo período em 2015. De janeiro a julho de 2015, foram 627 ocorrências contra 476 em 2014.

No período, as micro e pequenas empresas tiveram 657 pedidos, seguidas pelas médias (282) e pelas grandes empresas (159).

O indicador revelou ainda que, em julho de 2016, foram requeridos 175 pedidos de recuperações judiciais, alta de 4,2% em relação a junho. Já na comparação com o mesmo mês do ano passado, quando foram registrados 135 casos, os pedidos aumentaram em 29,6%. O resultado é o maior para o mês de julho desde a entrada em vigor da Nova Lei de Falências (junho/2005).

As micro e pequenas empresas lideraram os requerimentos de recuperação judicial em julho de 2016, com 122 pedidos, seguidas pelas médias (36) e pelas grandes empresas (17).

Falências

Na análise mês a mês, o indicador verificou queda de 3,1% de requerimentos de falências em julho em relação a junho (189 contra 195). Já na comparação ano a ano, a alta foi de 9,2%, de 173 em julho de 2015 para 189 em julho de 2016.

Na verificação mensal de junho, as MPEs também ficaram na frente com 108 requerimentos, seguidas pelas grandes empresas, com 44, e as médios com 37.

De janeiro a julho, foram realizados 1058 pedidos de falência em todo o País, um aumento de 9,0% em relação aos 971 requerimentos efetuados no mesmo período em 2015. Na comparação com janeiro a julho de 2014, o número de pedidos de falência subiu 13,4%. Dos 1058 requerimentos de falência efetuados de janeiro a julho de 2016, 559 foram de micro e pequenas empresas, 248 de médias e 251 de grandes.

De acordo com os economistas da Serasa Experian, apesar de alguns sinais tênues de recuperação, o baixo dinamismo econômico e as altas taxas de juros continuam pesando sobre a saúde financeira das empresas, acarretando elevadas quantidades de pedidos de falências e de recuperações judiciais.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de negócios?