INSS em Messejana mantém perícias, e órgão recomenda que beneficiários compareçam a agendamento

'Não faltou nenhum médico', diz gerente executivo do INSS em Fortaleza

Legenda: Médicos da agência do INSS de Messejana realizam perícia mesmo com decisão judicial.
Foto: José Leomar/SVM

Os médicos da agência do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) do bairro Messejana, em Fortaleza, continuam realizando perícias. O atendimento foi mantido mesmo após a determinação da Justiça de suspender as perícias médicas presenciais em todo o Brasil, pois é uma das unidades já consideradas aptas para atendimento antes dessa decisão e pode funcionar.

> Justiça suspende retorno de médicos peritos a atendimento presencial no INSS e proíbe corte de ponto

> INSS vai aumentar capacidade de atendimento da Central 135

De acordo com o gerente executivo do INSS em Fortaleza, Francismar Lucena, todos os médicos da unidade de Messejana compareceram ao trabalho e estão realizando atendimentos. "Tá todo mundo lá, não faltou nenhum médico. Creiamos que eles não vão romper atendimento. Já compareceram", afirma.

O gerente recomenda que as pessoas que fizeram agendamento compareçam às agências. "As pessoas que agendaram, compareçam. As pessoas que não têm agendamento ainda, façam pelo Meu INSS ou então pelo 135 e anexem a documentação, que será prorrogada", afirma.

Os médicos da agência do bairro Messejana atenderam 56 pessoas nesta quarta-feira (23). Segundo Lucena, a previsão é que, nesta quinta, 58 agendamentos feitos para a unidade sejam realizados.

Pagamento

Uma portaria do INSS estabelece o pagamento de R$ 600 para beneficiários do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e de um salário-mínimo (R$ 1.045) por mês para o auxílio-doença, sem necessidade de perícia médica. As antecipações serão pagas até o fim do ano.

"As pessoas que não têm agendamento, façam pelo INSS ou 135 e anexem a documentação, que será prorrogado [o pedido do benefício] até 31 de outubro. E as pessoas que ganham mais que um salário mínimo, será dado primeiro um salário mínimo, posteriormente, após a perícia, será dada a diferença", afirmou o gerente.

AGU recorreu decisão da Justiça

Nesta quarta-feira (23), a Advocacia Geral da União (AGU) recorreu da decisão da Justiça Federal que suspendeu o retorno de médicos peritos do INSS ao trabalho presencial. 

A Associação Nacional dos Médicos Peritos (ANMP) resistiu em retomar os trabalhos presenciais sob a alegação de falta de condições sanitárias contra a Covid-19.  A Associação fez novas vistorias e apontou uma lista de agências aptas para abrir. Destas, cinco eram no Ceará, porém, apenas a unidade de Messejana retomou as perícias nesta quarta-feira (23).

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios