Fortaleza pode ganhar novo píer para escunas de passeio turístico

Segundo o secretário de Turismo da Capital, Alexandre Pereira, o projeto já está sendo discutido pelos órgãos competentes. O objetivo é impulsionar os passeios na Beira-Mar a partir do investimento em infraestrutura

Foto: Foto: Kléber A. Gonçalves

A partir de agosto, os turistas e residentes de Fortaleza contarão com um novo acesso aos veleiros para o passeio pela enseada do Mucuripe. O projeto prevê a construção de um píer, além de um guichê para venda de bilhetes, por meio de um quiosque padronizado que já existe nas imediações.

"A gente acredita que aquele local das escunas é um grande ativo do turismo da cidade e que não tem infraestrutura. Não existe pensar em turismo se não der infraestrutura", ressalta Alexandre Pereira, secretário de Turismo de Fortaleza.

Tanto a entrega como o investimento no píer estão associados à obra de reestruturação da Beira-Mar, orçada em cerca de R$ 67 milhões. De acordo com o secretário Executivo da Setfor, Erick Vasconcelos, já houve, na última sexta (10), uma reunião com a Capitania dos Portos para ouvir as recomendações para conseguir a aprovação da construção do novo píer.

"Não é só um projeto. Tem toda uma ampla documentação que eles pediram para ser anexada na hora de protocolar o projeto e a partir daí ser orçado para ser executado", explica Vasconcelos. Além disso, os representantes da Prefeitura ouviram os proprietários das embarcações, que demandaram à Setfor a necessidade dessa área de embarque e desembarque.

"Eles passaram muitos dados que nós não tínhamos. Então a gente está preparando esse pier para ter a capacidade de 60 pessoas ao mesmo tempo lá na plataforma. Quanto ao colete, o turista já vai entrar no píer com eles, mas, mesmo assim, vão ter outros, caso algum banhista vá para lá", acrescenta Vasconcelos.

Segundo Erick, a previsão é que a nova estrutura gere um aumento da oferta do serviço. "O serviço das escunas de passeio é subutilizado. São cerca de sete escunas, para cerca de 60 pessoas cada, e elas saem mais de uma vez ao dia, mas são mais utilizadas no pôr do sol, até por questões de logística. Na hora que a gente fomentar um píer, com uma infraestrutura melhor, acreditamos que não será mais só ao pôr do sol e, sim, a cada duas ou quatro horas", afirmou na manhã de ontem (16), quando foi apresentado o relatório do Observatório do Turismo a respeito do Réveillon 2020.

Pesquisa

Com uma amostragem de 700 entrevistados, a pesquisa indicou que a virada do ano na Capital gerou um impacto de R$1,8 bilhão, valor superior ao já estimado pela Prefeitura, de R$ 1,6 bilhão. A previsão da administração municipal contava com um gasto médio de R$2.735 por turista. Segundo a Setfor, mais de 650 mil turistas vieram para a festa em Fortaleza e, segundo o levantamento, a permanência média foi de sete dias.

A pesquisa ainda aponta que 31,49% dos turistas veio à Capital motivados pelas atrações musicais, enquanto que 25,37% vieram pela queima de fogos realizada na hora da virada. Este é um resultado parcial sobre o Réveillon 2020 do Observatório do Turismo, que deve ter todos os dados divulgado em fevereiro.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de negócios?

Assuntos Relacionados