FGTS: saque de R$ 1.045 vai ser automático para quem tem conta ativa ou inativa com saldo

80% das contas de FGTS serão zeradas a partir da concessão do benefício

Legenda: Os trabalhadores terão acesso ao dinheiro a partir do crédito em conta ou poderão sacar na agências da Caixa Econômica Federal
Foto: Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O saque emergencial do FGTS no valor de R$ 1.045, disponibilizado a partir de 15 de junho deste ano, vai seguir o mesmo procedimento do saque imediato implementado pelo Governo Federal no ano passado. Os trabalhadores terão acesso ao dinheiro a partir do crédito em conta ou poderão sacar na agências da Caixa Econômica Federal. 

"Os saques serão efetuados conforme cronograma de atendimento, critérios e forma estabelecidos pela Caixa Econômica Federal, permitido o crédito automático para conta de depósitos de poupança de titularidade do trabalhador previamente aberta na nessa instituição financeira, desde que o trabalhador não se manifeste negativamente, ou o crédito em conta bancária de qualquer instituição financeira, indicada pelo trabalhador, desde que seja de sua titularidade", diz a Medida Provisória 946/2020.

Segundo o diretor do FGTS, Gustavo Tillmann, a medida contempla contas ativas e inativas de trabalhadores empregados e desempregados. "Ela preserva as políticas de FGTS. Vai ser uma medida de fácil implementação, facilitando o acesso do trabalhador ao recurso. A maioria vai fazer em crédito em conta", explica. 

Governo Federal libera saque de R$ 1.045 do FGTS por trabalhador a partir de 15 de junho

Empresários querem manter benefícios do governo após fim da crise do vírus

Empregador poderá adiar FGTS de trabalhador doméstico durante crise do coronavírus

Os trabalhadores poderão ainda desfazer o crédito de R$ 1.045 até o dia 30 de agosto. Os procedimentos para a desistência do recurso ainda vão ser definidos pelo agente operador do FGTS.

De acordo com o secretário especial da Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, 80% das contas de FGTS serão zeradas a partir da concessão do recurso. 

"Essa medida vem para o enfrentamento do novo coronavírus. Todas as camadas sociais vão ser afetadas pelas medidas. Outras vão ser anunciadas em breve pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e devem contemplar mais faixas de renda", disse em coletiva nesta tarde de quarta-feira (8).

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, disse ainda que cerca de 60,8 milhões de trabalhadores serão beneficiados pelo saque emergencial. "Vão ser sacados até R$ 36,2 bilhões. Cerca de 30,7 milhões de pessoas poderão sacar todo o seu recurso".

Na hipótese de o titular possuir mais de uma conta vinculada, o saque será feito na seguinte ordem:

I - contas vinculadas relativas a contratos de trabalho extintos, com início pela conta que tiver o menor saldo; e

II - demais contas vinculadas, com início pela conta que tiver o menor saldo.