Exportação de aço impulsiona crescimento econômico do Nordeste

Produção da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) puxou as exportações do Estado com a soma de US$ 263,1 milhões no primeiro trimestre, o equivalente a 7,4% de todas as exportações da região Nordeste no período

Legenda: A siderúrgica gerou nova perspectiva para o Ceará, com maior participação no mercado externo
Foto: Foto: Divulgação

Com a economia ainda em recuperação, o Ceará vem apresentando resultados acima da média do Nordeste tanto no setor da indústria como no do comércio. Segundo o chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central (BC), Tulio Maciel, a produção cearense de aço é um dos fatores que vêm estimulando a economia do Estado.

"O que nós vimos é que a guerra comercial entre China e Estados Unidos não afetou as exportações (de placas de aço) da CSP (Companhia Siderúrgica do Pecém). E a balança comercial do Ceará, que assim como a do Nordeste, é deficitária, apresentou um superávit no primeiro trimestre", disse durante a apresentação do Boletim Regional do BC.

Nos três primeiros meses de 2019, a balança comercial cearense apresentou um saldo de US$ 63,6 milhões, sendo o primeiro superávit para o trimestre desde 2007. No ano passado, por exemplo, o Estado havia registrado um déficit de US$ 124,1 milhões no primeiro trimestre. O resultado deste ano foi puxado, principalmente, pelas exportações de "ferro fundido, ferro e aço", que somaram US$ 263,1 milhões, o equivalente a 7,4% de todas as exportações da região Nordeste de janeiro a março.

"No Ceará, você tem uma indústria muito heterogênea, mas o setor de metais está crescendo muito expressivamente a taxas bem significativas", disse Maciel. "O setor de calçados também cresceu, mas outros setores tradicionais já não crescem como antes". Entre os principais produtos exportados de janeiro a março, o setor calçadista exportou US$ 79,3 milhões e o de castanha de caju US$ 27,2 milhões.

De acordo com dados divulgados ontem (24) pelo BC, a produção industrial no Estado avançou 0,4% nos últimos 12 meses terminados em março, enquanto no Nordeste houve queda de 0,5% e, no Brasil, avanço de 0,5%. Já o volume de vendas do comércio no Ceará avançou 2,8% no mesmo período, contra 2,5% do Nordeste e 4,9% no Brasil.

Divisor de águas

Durante a apresentação dos resultados, o analista do Depec em Fortaleza, Afonso Eduardo Jucá, ao se referir às exportações, destacou que "existe o Ceará antes e depois da CSP". Para o economista Ricardo Coimbra, a siderúrgica, gerou uma nova perspectiva para o Estado, com uma maior participação no mercado externo. "Além de termos um superávit depois de muitos anos, as perspectivas é de que a produção cresça nos próximos anos, com possibilidade de ampliação da planta, o que deverá atrair novos investimentos", disse.

No primeiro trimestre, o volume de exportações cearenses cresceu 9,8%, enquanto as importações caíram 22,7%. O principal comprador de produtos cearenses foram os Estados Unidos (US$ 199,2 milhões), seguidos pela Itália (US$ 76,6 milhões), Alemanha (US$ 23,6 milhões) e México (US$ 44,0 milhões).

Agropecuária

No acumulado de 12 meses terminados em fevereiro, a economia do Ceará avançou 1,3%, superando a média do Nordeste (0,7%) e do Brasil (1,2%), segundo o BC. Para Jucá, o resultado do trimestre foi puxado também pelo setor agropecuário, devido às chuvas acima da média dos anos anteriores. A produção de grãos para este ano está prevista em 660 toneladas, 4,3% superior à do ano passado.

Já Tulio Maciel ressaltou que, embora a participação da agropecuária no Produto Interno Bruto (PIB) do Estado seja de pouco menos de 6%, o agronegócio tem uma participação maior, considerando o comércio de insumos e de máquinas e equipamentos.

Comércio

De acordo com o Boletim Regional do BC, a recuperação da economia cearense teve início em meados de 2016, puxada pela retomada da produção agrícola. E, posteriormente, o mercado de trabalho, as vendas no varejo, o crédito às famílias e as exportações, contribuíram para retomada da atividade.

De acordo com Tulio Maciel, o crescimento do crédito à pessoa física no Ceará foi um dos diferenciais do Estado em relação à região Nordeste. "O crédito para pessoa física aumentou em 2018, particularmente a modalidade de crédito para aquisição de veículos, que teve um desempenho muito bom em 2018 e no início de 2019".

"A retomada do PIB cearense em 2018 foi de 1,0%, mais próxima da média nacional (1,1%) e do que a média do Nordeste (0,7%). Inclusive, nosso estado foi o único da região Nordeste em que houve crescimento de emprego formal nos últimos 12 meses, o que puxa o setor de Serviços e ajuda nesta retomada da economia", diz Marco Barros, consultor da SM Consultoria.

Brasil

Durante a apresentação, Maciel ressaltou que a economia brasileira permanece em tendência de recuperação, mas o Nordeste tem apresentado um ritmo mais lento de retomada, sobretudo pela alta taxa de desemprego que impactou negativamente o setor do comércio e de serviços. "O desemprego no Nordeste saltou de cerca de 8% em 2014 para mais de 14% em 2016 e 2017, o que explica esse crescimento lento do comércio", disse.

A produção cearense de aço é um dos fatores que vêm estimulando a economia do Estado, que vem apresentando resultados acima da média do Nordeste tanto no setor da indústria como no do comércio.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de negócios?

Assuntos Relacionados