Emissão de alvarás de construção dispara 200% em julho na Capital

Em um mês, número de licenças saltou de 16 para 49. Para empresários, aumento reflete demanda reprimida por regularização e ainda a preparação de construtoras para a retomada do crescimento econômico

Legenda: Construtoras que solicitaram alvarás de construção estão se preparando para retomada
Foto: FOTO: SAULO ROBERTO

Após a mudança na legislação da emissão dos alvarás de funcionamento, a Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) registrou um aumento no número de emissões de até 200% em julho, caso dos alvarás de construção e regularização de obra construída. Para a Pasta, o resultado demonstra a eficácia das ações de incentivo do poder público municipal.

Já representantes de diferentes segmentos da iniciativa privada justificam o crescimento como um reflexo da regularização reprimida ou da antecipação dos empresários aos primeiros sinais de melhora do cenário econômico. O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Ceará (Sinduscon-CE), André Montenegro, pondera que o setor ainda passa por dificuldades.

"(As que já solicitaram alvarás) são empresas que estão se preparando para possível reação do setor e já deixando em estoque seus projetos aprovados. A qualquer melhora do mercado, eles já saem na frente", explica. Segundo a Seuma, no mês passado, foram emitidas 49 licenças de construção contra 16 em junho.

Montenegro acrescenta que a emissão da licença não necessariamente quer dizer que as empresas já vão iniciar as obras. "O alvará tem uma validade, que, inclusive, foi estendida com o novo Código da Cidade. Mas não deixa de ser um bom sinal. Nos próximos meses, devemos começar a ver algumas obras iniciando", prevê. De acordo com ele, o estoque de imóveis no Estado hoje ainda gira em torno de 6,5 mil unidades.

Comércio

De acordo com a Seuma, em julho, o número de alvarás de funcionamento emitidos cresceu 25%, passando de 561 em junho para 699 no mês passado. O presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Lojista de Fortaleza (Sindilojas), Cid Alves, explica que o aumento pode até ser um indicador de melhora econômica, mas não de que há um número de estabelecimentos maior.

"A economia está melhorando, o período de adaptação do novo Governo está passando. Além disso, a Prefeitura lançou o Alvará Social, que reduziu drasticamente os custos e possibilitou que muitos empresários e empreendedores que estavam na expectativa da resolução desse imbróglio se regularizasse ou renovasses suas licenças", aponta.

Bares e restaurantes

No segmento de serviços, o número pode indicar uma melhora. "Ainda não temos conhecimento desses dados. Até nos surpreende um pouco, mas é animador, porque temos expectativa de um melhor cenário. Ainda assim, acredito que o que aconteceu foi que havia muitos pedidos represados de empresários que não se regularizavam por não ter condições de arcar com os custos", aponta Moraes Neto, presidente do Sindicato de Restaurantes, Bares, Barracas de praia, Buffets e similares do Estado do Ceará (Sindirest-CE), Moraes Neto.


Assuntos Relacionados