Egídio Serpa: Dnocs e S. Francisco ainda sem solução

Além da grave crise que castiga a economia da Argentina, dois assuntos dominaram ontem a agenda do empresariado da agropecuária cearense: a situação do Dnocs, cujo futuro é incerto, e o Projeto S. Francisco de Integração de Bacias, cujo Canal Norte, que trará suas águas para o Ceará, segue inconcluso. O Dnocs respira por aparelhos, mas uma junta de especialistas da política promete criar uma Frente Parlamentar pela sua sobrevivência. Ontem, surgiu a ideia de reforçar o quadro técnico do Dnocs com pessoal da Infraero e dos Correios, que poderão ser privatizados. Ideia ruim: nenhum dos dois organismos tem engenheiros capazes de requalificar o Dnocs. Quanto ao Projeto S. Francisco: grupo de empresários daqui visitará no próximo dia 30 as obras do Canal Norte em Salgueiro (PE), a convite do ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto.

LONGA VIDA

Decidiu a multinacional Nestlé abandonar a fabricação de leite Longa Vida. Ela está vendendo suas unidades para a goiana Bela Vista, dona da marca Piracanjuba. Se isso será bom para a cearense Betânia Lácteos - líder do setor de lacticínios no Nordeste - só o tempo dirá.

REFORMAS

Para Geraldo Luciano Matos Júnior, vice-presidente de Investimentos e Controladoria do Grupo M. Dias Branco, a reforma da Previdência, próxima de ser aprovada pelo Senado (já o foi na Câmara dos Deputados), dará uma forte sinalização de compromisso da sociedade com o ajuste fiscal. Por sua vez, a reforma Tributária tem ainda "um longo caminho de debate e esperamos que, ao final, as empresas tenham pelo menos a simplificação das rotinas obrigatórias, o que contribuirá para a redução dos custos e a redução das incertezas jurídicas, melhorando o ambiente de negócios no País". Hoje, às 19 horas, na Unifor, Geraldo Luciano debaterá com Mauro Benevides Filho sobre a economia brasileira.

EMBRAER

Festa na Embraer, que celebra 50 anos de êxito. De hoje até quinta-feira, 15, no Aeroporto de Congonhas, em SP, na Labace - maior feira de aviação executiva da América Latina, ela expõe seus novos aviões - o Praetor 500 e o Praetor 600.

Pacujá, município do sertão cearense, na região Norte do Estado, tem 90% de sua renda dependente do Poder Público, incluindo as aposentadorias e o Bolsa Família. Em Piquet Carneiro, no sertão central do Ceará, 75% da renda municipal igualmente provêm do Poder Público. E ainda se pensa em criar novos municípios.

Oficina de consertos: chama-se Fertsan - e não Fortsan, como saiu ontem aqui - o nome da empresa cearense de tecnologia que, utilizando-se da carcaça do camarão, desenvolveu um produto que acelera o processo de fotossíntese das plantas. E é BSN e não BI o nome do fundo português que investiu no projeto.


Categorias Relacionadas