Dólar vai a R$ 2,51 e Bolsa zera ganhos no ano com especulação eleitoral

O dólar à vista subiu 1,03%, a R$ 2,510, no maior patamar desde 4 de dezembro de 2008, quando a moeda encerrou cotada a R$ 2,516

O dólar fechou em alta superior a 1% e a Bolsa zerou os ganhos no ano em meio a especulações que indicavam uma vantagem maior da presidente Dilma Rousseff  em relação a Aécio Neves na pesquisa Ibope.

O dólar à vista, referência no mercado financeiro, subiu 1,03%, a R$ 2,510, no maior patamar desde 4 de dezembro de 2008, quando a moeda encerrou cotada a R$ 2,516. O dólar comercial, usado em transações no comércio exterior, teve alta de 1,29%, a R$ 2,513, o maior nível também desde 4 de dezembro de 2008, quando encerrou cotada a R$ 2,536.

Já a Bolsa zerou os ganhos no ano e, agora, cai 1,5%. O Ibovespa, principal índice do mercado acionário, fechou em baixa de 3,24%, a 50.713 pontos, no menor patamar desde 15 de abril deste ano, quando fechou a 50.454 pontos. Foi o quarto pregão seguido de queda da Bolsa. Das 70 ações negociadas no índice, 57 caíram e 13 subiram.

No mercado cambial, o real registrou a maior desvalorização em relação ao dólar entre as 24 principais moedas emergentes.

A especulação em torno da nova pesquisa Ibope influenciou a cotação da moeda americana nesta sessão, afirma Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora. No início da tarde, o colunista Lauro Jardim, da revista "Veja", noticiou que o Ibope a ser divulgado nesta noite mostraria a presidente Dilma Rousseff (PT) à frente nas intenções de voto e fora da margem de erro.

A pesquisa, divulgada logo após o fechamento do mercado, acabou mostrando a presidente com 54% dos votos válidos, enquanto o tucano aparece com 46%. Já o Datafolha, publicado no mesmo horário, trouxe Dilma com 53% dos votos válidos, seis pontos à frente de Aécio.

"Foi um fator mais do que relevante para o mercado puxar o dólar para cima, já precificando uma vitória da Dilma no domingo", afirma Galhardo. "Por enquanto, o Banco Central só acompanhou essa movimentação de alta da moeda americana, mas, quando passar o peso da eleição, vai ter mais liberdade para atuar no mercado cambial de forma mais eficaz e agressiva para conter essa alta", ressalta.

"Essa alta é por causa especificamente de especulação sobre cenário político, e deixa de lado qualquer análise fundamental de economia. O preço técnico do dólar, por causa do cenário econômico ruim, é entre R$ 2,30 e R$ 2,35. Acima disso é especulação", avalia Fernando Bergallo, gerente de câmbio da TOV Corretora.

Segundo ele, uma reeleição de Dilma poderia aumentar a aversão ao risco dos investidores e fazer o dólar atingir R$ 2,70.

"Aí seria necessário ver até onde o Banco Central deixaria o dólar chegar. O BC ainda não entrou no mercado à vista [ou seja, vendeu dólares para baixar o preço da moeda], mas poderia entrar e derrubar a cotação. Ele tem que levar em conta a inflação e o endividamento da União antes de intervir", afirma Bergallo.

Na manhã desta quinta (23), o Banco Central deu continuidade a suas atuações diárias no mercado de câmbio, oferecendo 4.000 contratos de swap (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro) com vencimentos em 1º de junho e 1º de setembro de 2015. Foram vendidos 300 contratos para 1º de junho e 3.700 para 1º de setembro de 2015, com volume correspondente a US$ 196,5 milhões.

O BC realizou também mais um leilão de rolagem dos contratos de swap que vencem em 3 de novembro, com a venda de 8.000 contratos. Ao todo, a autoridade monetária já rolou cerca de 76% do lote total, equivalente a US$ 8,84 bilhões.

Bolsa teve a quarta baixa seguida

A especulação eleitoral também fez com que a Bolsa registrasse a quarta baixa seguida na semana. Para Marco Aurélio Barbosa, analista da CM Capital Markets, a Bolsa já começou a precificar a vantagem de Dilma nas pesquisa. "O mercado tenta antecipar esses fatos. Uma vantagem de seis, sete pontos percentuais nas pesquisas dificilmente vai dar para reverter nas urnas", afirma.

"É como se os investidores estivessem precificando a vitória da Dilma, então as chances de haver uma queda brusca na segunda-feira diminuem", ressalta. "Se a disputa estivesse acirrada, poderia haver uma forte queda na segunda. Mas, como o mercado já começa a ver Dilma como favorita, está ajustando suas posições", diz Barbosa.

A avaliação é a mesma de Alexandre Wolwacz, diretor da Escola de Investimentos Leandro&Stormer. "É muito provável que o mercado esteja tentando se antecipar à eleição de domingo. Não está mais acreditando que o Aécio vá se eleger. Com isso, vem caindo forte para, quando ela for reeleita, não cair tanto", afirma.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de negócios?