Dólar sobe a R$ 4,17 com previsão de juro zero e briga de Bolsonaro com PSL

A Bolsa avançou, mas em percentual bem mais modesto que o registrado no exterior

Legenda: Desde a segunda, economistas e analistas do mercado financeiro passaram a indicar a expectativa de queda da taxa Selic para 4% ao ano em 2020

O agravamento da crise entre o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e seu partido, ao lado das novas previsões de queda de juros para 4%, fez o dólar voltar a ser negociado acima de R$ 4,16 nesta terça-feira (15). A Bolsa avançou, mas em percentual bem mais modesto que o registrado no exterior.

Foi a dupla de fatores que fez também o real ser a moeda que mais perdeu valor ante o dólar nesta terça-feira, considerada uma cesta de 24 moedas emergentes. 

A alta do dólar foi de 0,94%, a R$ 4,1660, o maior patamar de fechamento desde 24 de setembro.

Desde a segunda, economistas e analistas do mercado financeiro passaram a indicar a expectativa de queda da taxa Selic para 4% ao ano em 2020, o que levaria o juro real do Brasil para perto de zero.

Como parte dos dólares que entra no País vem de estrangeiros que querem investir em juros, esse fluxo deixa de existir, já que o país fica menos atrativo.

O dado de saída líquida de investidores será atualizado nesta quarta-feira (16) pelo Banco Central.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios

Assuntos Relacionados