Dólar se consolida acima de R$ 3,30 e fecha a semana em alta

A moeda dos EUA à vista terminou a R$ 3,3314, enquanto a cotação comercial subiu 0,05%, a R$ 3,3390

Escrito por Folhapress,

Negócios

O dólar se consolidou acima dos R$ 3,30 depois da terça-feira (20) e fechou a semana com alta. O dólar à vista terminou a R$ 3,3314, enquanto a cotação comercial subiu 0,05%, a R$ 3,3390.

Os juros futuros avançaram nesta sexta. O vencimento janeiro 2018 subiu de 8,975% a 8,995%. O contrato janeiro 2021 foi de 10,18% para 10,26%.

Bolsa

A Bolsa brasileira fechou em queda nesta sexta-feira (23) e amargou mais uma semana de perdas em meio à manutenção da incerteza política. O dólar avançou para perto de R$ 3,34, se consolidando acima dos R$ 3,30. O Ibovespa terminou em queda de 0,30%, a 61.087 pontos.

O desempenho negativo foi puxado pela Petrobras, bancos e pelas empresas de carnes. Investidores redobraram a cautela na terça-feira, quando o governo Michel Temer sofreu uma derrota no Senado, durante a tramitação da reforma trabalhista. Agora, a previsão é de que o projeto seja votado no plenário apenas em julho. O receio é que o governo perca qualquer capacidade de aprovar reformas.

A Petrobras anunciou na noite de quinta-feira o plano de abrir capital da BR Distribuidora, uma alternativa à venda da subsidiária, que faz parte do plano de desinvestimentos da estatal. A companhia também anunciou a contratação do consórcio que continuará as obras de Abreu e Lima.

No entanto, o mercado não reagiu positivamente. As ações preferenciais da Petrobras caíram 0,91%, a R$ 11,93. Os papéis ordinários cederam 1,07%, a R$ 12,91. O petróleo, que costuma ter influência sobre o valor das ações da estatal, avançou 0,91% e fechou a US$ 45,63.

As ações de JBS, Marfrig e BRF foram penalizadas pelo embargo dos Estados Unidos à carne bovina brasileira. As ações do frigorífico Minerva avançaram.


Allisson Martins

O Agronegócio e os Derivativos

Allisson Martins
24 de Maio de 2022