Cresce demanda por academias em Fortaleza após ampliação de horário

Desde a última segunda-feira (17) esses estabelecimentos estão funcionando até as 21h. Para a próxima semana, horário foi mantido pelo governador Camilo Santana

Legenda: Academias continuam funcionando até as 21h na próxima semana, conforme anunciou o governador Camilo Santana
Foto: Helene Santos

A ampliação de horário para as academias de ginástica na última semana permitiu aos estabelecimentos captar novos alunos e recuperar clientes perdidos em decorrência do segundo lockdown, segundo o Sindicato das Empresas de Condicionamento Físico do Estado do Ceará (Sindfit-CE).

Juliana Sá, presidente da entidade, avaliou a última semana como positiva e afirma que os estabelecimentos passaram a contar com 50% da quantidade de alunos em relação ao período antes do segundo lockdown. Além disso, as empresas estão conseguindo atender novos clientes.

"Tivemos academias que retornaram com 50% dos alunos que estavam antes desse segundo fechamento. Com o horário menos restrito, os estabelecimentos também conseguem atender novos alunos. É o que temos visto na última semana: novas procuras", detalha Juliana Sá.

Alunos em busca de reabilitação

Desde a última segunda-feira (17), as academias estão atendendo até as 21h. Na semana anterior, o limite era às 18h.

De acordo com ela, a busca é sobretudo de pessoas que já tiveram Covid-19 e buscam na atividade física uma reabilitação. "E as academias estão preparadas para essa reabilitação. Temos visto a procura de pessoas que não praticavam atividade física e entenderam a importância de uma vida ativa para a melhoria da imunidade", afirma a presidente do Sindfit-CE.

Ontem (22), o governador Camilo Santana anunciou a continuidade das regras que já estão em vigor para o funcionamento das atividades econômicas e comportamentais. Juliana vê a decisão com bons olhos, "apesar da manutenção da capacidade de 25%" nesses espaços.

"Com o horário até as 21h, a gente consegue dividir mais os nossos alunos", pontua.

Demandas

Apesar da satisfação com os horários que permanecem, conforme o anúncio do governador, e os efeitos da ampliação sobre o setor na última semana, Juliana pontua que algumas demandas das academias ainda não tiveram resposta do Executivo estadual.

"Há mais de dois meses nós, com o Conselho Regional de Educação Física (Cref-5 Ceará), pedimos um auxílio para os profissionais de Educação Física, tendo em vista que eles passaram muito tempo parados e com a restrição de horários diminuíram os atendimentos. É uma queda grande no rendimento deles", lamenta Juliana Sá.

Além disso, ela pontua que as academias solicitaram desconto no Imposto sobre a Propriedade Territorial Urbana (IPTU) e na tarifa de energia elétrica dos estabelecimentos. "Isso também ainda não foi atendido, não tivemos retorno", diz Juliana.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios