Coronavírus: Cagece amplia produção de água tratada em 300 litros por segundo

Volume é direcionado para a Fortaleza e visa combate da pandemia através de mais recursos de limpeza às famílias

Foto: Foto: Reinaldo Jorge

Como forma de garantir o abastecimento durante período de emergência pelo novo Coronavírus, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) aumentou em 300 litros por segundo a produção de água para o sistema integrado de Fortaleza. A vazão, produzida nas estações de tratamento do Gavião e Oeste, representa 3,6% a mais na oferta de água que normalmente é distribuída para Fortaleza e municípios atendidos pelo sistema integrado.

Apesar da produção maior, o alerta da Cagece ainda é para o uso responsável da água, sem reduzir os cuidados com a higiene pessoal e os hábitos de limpeza dos ambientes, objetos entre outros. O incremento na produção de água leva em consideração a tendência de aumento no consumo durante às medidas preventivas adotadas pelo Governo do Ceará para combater o Coronavírus no Estado.

De acordo com Tibúrcio Valeriano, gerente de Macroprodução de Água da Cagece, apesar da tendência de aumento no consumo, o incremento de vazão nas duas principais estações de tratamento é suficiente para demanda no momento. “Estamos operando com uma vazão de 8,6 m³ por segundo para garantir que o reservatório Ancuri, que distribui a água para o sistema integrado, esteja sempre com nível suficiente para abastecer todas as regiões. Até agora, percebemos que essa vazão está sendo suficiente para abastecer a cidade nesse período onde temos mais pessoas em casa”, ressalta o gerente.

Diariamente a Cagece faz um monitoramento das redes de distribuição a fim de acompanhar a demanda por água de cada setor de abastecimento. De acordo com Tibúrcio, o acompanhamento diário é importante para que a Cagece possa atuar de forma pró-ativa, caso seja necessário solicitar aumento de vazão. A liberação da vazão de água bruta para a Cagece é realizada pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh).

Desafio nas cidades do interior

No interior do Estado, as medidas preventivas para se proteger do Coronavírus também já refletem na demanda por água. De acordo com Helder Cortez, diretor da Cagece para Unidades de Négócios do Interior, já é possível perceber um aumento no consumo de água em algumas cidades. “Percebemos aumento na demanda por água em vários sistemas do interior. Geralmente, no período chuvoso, o consumo tende a diminuir, mas hoje começamos a identificar um padrão de consumo como no verão”, ressalta o diretor.

Nesse cenário, o desafio da Cagece é conseguir aumentar a produção de água em cenário que já sofre com a escassez hídrica. Cortez explica que, para driblar as dificuldades, estão sendo aplicadas duas estratégias: otimizar as estruturas em uso que podem aumentar a produção de água; e aplicar investimentos que garantam essa oferta.

“Estamos aumentando o número de horas no funcionamento de alguns sistemas que possuem espaço para ampliar a produção. Por exemplo, sistemas que antes funcionavam por 12 ou 15 horas de operação, passaram a funcionar por 16 horas. Já os sistemas que estão no limite, estamos reforçando os ajustes operacionais para atender à demanda”, explica Cortez.

Além disso, a Cagece realiza um planejamento para se antecipar a situações onde a disponibilidade de água seja comprometida pela escassez. Objetivo é poder adquirir equipamentos maiores, ou aumentar a estrutura de tratamento de água de cada unidade de negócio. “Todo esse esforço hoje é prevendo aumento do consumo em abril, maio e junho, já que ainda não sabemos como vai ficar a situação”, resume o diretor.

Uso responsável da água

Devido à situação crítica de escassez hídrica que o estado atravessa, é importante que a população mantenha hábitos de uso responsável da água, sem deixar de lado a higienização necessária no combate ao coronavírus.

Veja algumas dicas

• Atentar para vazamentos visíveis e ocultos
• Fechar a torneira enquanto escova os dentes
• Não usar água em brincadeiras
• Fechar a torneira enquanto lava a louça
• Atentar para as torneiras mal fechadas
• Não lavar carros, calçadas ou quintais
• Usar a máquina de lavar somente na capacidade máxima

Você tem interesse em receber mais conteúdo de negócios?