Conta de luz segue com bandeira verde e sem taxa adicional em agosto, anuncia Aneel

A bandeira verde está em vigor desde 16 de abril. A geração de energia elétrica continua favorável nas usinas hidrelétricas

Escrito por Diário do Nordeste/Estadão Conteúdo,

Negócios
Mulher segurando o pagamento de uma conta de luz
Legenda: A bandeira verde é acionada quando as condições de geração de energia, e os custos, estão favoráveis
Foto: Thiago Gadelha

A bandeira verde seguirá acionada, e a conta de luz não terá taxa adicional em agosto, conforme decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O anúncio foi feito nesta sexta-feira (29), contemplando todos os consumidores do Brasil.

A bandeira verde está em vigor desde 16 de abril. Entre setembro de 2021 e 15 de abril deste ano, o órgão cobrou uma tarifa adicional de R$ 14,20 por 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos, referente à bandeira escassez hídrica.

"Isso [a bandeira verde] significa que as condições de geração de energia elétrica nas usinas hidrelétricas continuam favoráveis, não sendo necessário acionar usinas mais caras".
Aneel
Órgão regulador

O que são as bandeiras tarifárias

As bandeiras tarifárias foram introduzidas em 2015 como uma forma de repassar para o consumidor de forma imediata os custos da geração de energia, tanto como uma forma de desincentivar o consumo como para evitar reajustes anuais exorbitantes.

bandeira verde é acionada quando as condições de geração de energia, e os custos, estão favoráveis. A amarela, quando estão menos favoráveis. A vermelha 1, com condições desfavoráveis. E a vermelha 2, em condições muito desfavoráveis. Dessa forma, a tarifa modifica a cada bandeira:

  • Bandeira verde: sem valores adicionais;
  • Bandeira amarela: R$ 2,989 a cada 100 kWh consumidos;
  • Bandeira vermelhar 1: R$ 6,500 a cada 100 kWh consumidos;
  • Bandeira vermelha 2: R$ 9,795 a cada 100 kWh consumidos.

Conforme a Aneel, o sistema sinaliza o custo real da energia gerada, o que possibilita aos consumidores um melhor uso da energia elétrica.

"Esse custo é pago de imediato nas faturas de energia, o que desonera o consumidor do pagamento de juros da taxa Selic sobre o custo da energia nos processos tarifários de reajuste e revisão tarifária”, concluem. 

Assuntos Relacionados