Consumo das classes C e D no Ceará cresce 10% e tem maior alta do Nordeste

A variação ainda é o dobro do registrado na média nacional, segundo levantamento da Superdigital, fintech do Grupo Santander

Legenda: Em julho, 82% dos gastos totais foram feitos presencialmente, o que representa um ponto percentual a mais em comparação a junho.
Foto: Natinho Rodrigues

O consumo das classes C e D no Ceará fechou o mês de julho em alta em 10%. O incremento ocorreu após dois meses negativos e é o maior percentual entre os estados nordestinos considerados na pesquisa Hábitos de Consumo elaborado pela Superdigital, fintech do Grupo Santander.

Ao todo, o Estado registrou R$ 2,5 milhões em compras realizadas pelas faixas de renda em questão. O valor corresponde a 20% do volume do Nordeste e a 2% do total do Brasil.

A reação demonstra uma evolução nos gastos de toda a Região, tendo em vista que Pernambuco encerrou o mês com incremento de 7% e Bahia, de 3%. Em junho, os três estados haviam registrado perdas: de 3% no Ceará, e de 1% na Bahia e em Pernambuco.

O aumento do consumo cearense em julho foi ainda o dobro da média nacional, que fechou o mês com variação positiva de 5%.

Segmentos

Os segmentos em destaque no Estado foram os de companhias aéreas (47%), rede online (26%), serviços (25%), automóveis e veículos (19%), hotéis e motéis (19%), transporte (15%) e lojas de roupas (12%).

No sentido contrário, as lojas de artigos diversos (-10%), diversão e entretenimento (-3%) e drogaria e farmácia (-1%) sofreram com queda nos gastos.

O levantamento mostra também que o principal gasto no orçamento ainda é em supermercados (31%), seguindo de restaurantes (11%), outros (14%) e combustíveis (10%).

Apesar do forte avanço do e-commerce durante a pandemia, as compras permanecem essencialmente presenciais em alguns segmentos, como combustíveis (100%), automóveis e veículos (98%), drogaria e farmácia (98%), lojas de roupas (97%) e supermercado (97%).

Já outros setores alcançaram a predominância no meio online, a exemplo das companhias aéreas (98%), transporte (89%), telecomunicação (81%) e diversão e entretenimento (72%).

Norte e Nordeste lideram crescimento

A alta de 5% no consumo das classes em questão no País foram impulsionadas pelo desempenho das regiões Norte e Nordeste, que alcançaram incrementos de 23,5% e de 8,5%, respectivamente.

Em seguida, aparece a região Sul, com aumento de 7,7%, e o Sudeste, com avanço de 3,5%. Somente o Centro-Oeste apresentou leve queda de 0,5%.

A CEo da Superdigital no Brasil, Luciana Godoy, aponta que os resultados de julho consolidam a recuperação no consumo destas classes sociais.

"Tivemos uma leve queda em junho em decorrência de um alto crescimento em maio, principalmente, por conta do Dia das Mães. A tendência é que o segundo semestre mostre uma recuperação mais robusta à medida que a vacinação contra Covid-19 avance e setores da economia que ainda sofreram bastante no primeiro semestre comecem a se recuperar”, esclarece.

O ticket médio apresentou aumento significativo nos setores rede online (9%), transporte (5%), prestadores de serviços (3%) e combustível (2%).

Na avaliação da executiva, a forte inflação dos últimos meses tem contribuído para esse aumento do ticket médio em alguns itens. 

“É cada vez mais fundamental o aprimoramento e crescimento da educação financeira também nas classes sociais C e D”, ressalta Godoy.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios

Assuntos Relacionados