Cenário básico do BC não tem esta segunda onda da pandemia, diz diretor

Kanczuk afirmou que a política de saúde e a política fiscal no Brasil são tomadas, pelo Banco Central, como dados que servem para a formulação de cenários

Legenda: Questionado a respeito da política monetária do BC, Kanczuk evitou fazer comentários específicos
Foto: Agência Brasil

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, afirmou nesta quinta-feira  (13), que o cenário básico da instituição não contempla uma "segunda onda" da pandemia do novo coronavírus no Brasil. "O cenário básico, que é o mais provável de acontecer, não tem a segunda onda", afirmou. "As coisas mais ou menos voltariam sem uma segunda onda".

Ao mesmo tempo, Kanczuk afirmou que a política de saúde e a política fiscal no Brasil são tomadas, pelo Banco Central, como dados que servem para a formulação de cenários. Assim, segundo ele, o BC é "mais reativo" a essas políticas e "não pró-ativo".

Questionado a respeito da política monetária do BC, Kanczuk evitou fazer comentários específicos. Atualmente, a Selic (a taxa básica de juros) está em 2,00% ao ano.

Autonomia do BC

O diretor de Política Econômica do Banco Central afirmou que a autonomia da instituição mudará principalmente a percepção de quem "não conhece o Brasil". Segundo ele, ela dará mais segurança aos investidores estrangeiros.

"A autonomia gera a percepção, para o brasileiro, de que não vai fazer diferença nenhuma. Mas para alguém que vai alocar dinheiro em outros países, ter um BC independente dá mais segurança", afirmou o diretor do BC.

O projeto de autonomia - uma das bandeiras mais antigas do BC - está atualmente em tramitação no Congresso Nacional.

 

Você tem interesse em receber mais conteúdo de negócios?