Brasil e Israel: juntos no combate à seca

É com muita alegria que visito o Ceará. Venho para conhecer de perto as belezas naturais do Estado e seu povo, além do potencial da região. Pretendo apresentar e conhecer projetos em várias áreas, dentre elas agricultura e recursos hídricos, setores os quais Israel e Brasil são referência internacional. Podemos aprender juntos e cooperar ainda mais.

O Brasil é rico em recursos naturais, um produtor global. É um país de dimensões continentais que cresce de maneira sustentável; um exemplo a ser seguido pelo resto do mundo e que está, sem dúvida, à frente de outros candidatos à potência. Já Israel, que equivale a 0,25% do território brasileiro, é um país exportador de alta tecnologia, principalmente na agricultura. Mesmo com pouca água, pouca terra e sem petróleo, tornou-se um laboratório do mundo e consolidou-se com o trabalho de seu povo.

De onde vem parte da água de Israel, já que mais da metade do país é composta por áreas desérticas? A resposta está na dessalinização de água. Na cidade de Hadera está localizada a maior usina de dessalinização por osmose reversa do mundo. Ela captura água do Mar Mediterrâneo e a torna potável. A expectativa é que a usina produza 127 milhões de metros cúbicos de água por ano - o suficiente para abastecer um sexto da população israelense. No planeta Terra, as águas cobrem 3/4 da superfície, mas cerca de 97,2 % destas são salgadas, e impróprias para consumo humano ou irrigação. Ou seja, o processo de dessalinização ganhará cada vez mais importância em todo o mundo.

A grandeza territorial do Brasil e a pequenez de Israel complementam-se mutuamente. Desde a década de 1960, Israel contribui para o desenvolvimento da agricultura do semiárido brasileiro, por meio da difusão de técnicas de irrigação e dessalinização de água. Um bom exemplo é o acordo de cooperação em Pesquisa e Desenvolvimento entre Brasil e Israel.

Atualmente, os dois países estão com editais abertos para parcerias entre empresas israelenses e brasileiras. Esta cooperação tecnológica é promovida pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) e a Agência de Cooperação Internacional do Ministério Israelense de Indústria e Comércio (Matimop).

Exemplo de destaque é a Netafim, empresa israelense referência em irrigação, que ampliou recentemente suas operações no Brasil. A companhia inaugurou, ano passado, uma fábrica em Cabo de Santo Agostinho (PE). Foram investidos R$ 10 milhões nesta iniciativa. Tecnologia que revolucionou a agricultura israelense, a irrigação por gotejamento foi desenvolvida em uma região de Israel onde a chuva não ultrapassa 200 milímetros ao ano, ambiente parecido com o sertão nordestino.

Um modo simples de traduzir este sistema é a cinta de gotejamento, que nada mais é do que uma mangueira com gotejadores embutidos. Esse método de irrigação é preciso e econômico.

A vazão de água é tão vagarosa que é facilmente absorvida pelo solo. Em um sistema bem ajustado, há pouca probabilidade de excesso de escoamento de água e desperdício. A economia de água é de 60%, se comparada aos outros métodos. Outra grande ideia também foi atrelar a irrigação com a fertilização, criando a nutri-irrigação. A planta não recebe água apenas, mas água com adubo na medida certa para o seu desenvolvimento.

Outra novidade de Israel que promete revolucionar a agricultura são as sementes tolerantes à seca. Cientistas israelenses desenvolveram uma nova plataforma para a introdução de um gene resistente a ambientes áridos em uma semente de milho, soja ou arroz, por exemplo. Ao contrário da tecnologia OGM (organismo geneticamente modificado), esta técnica tem a duração de apenas uma geração, sem interferir ou se infiltrar no genoma da planta. A tecnologia pode ser aplicada a qualquer tipo de semente. Estes são alguns exemplos tecnológicos que Israel pode compartilhar ainda mais com os brasileiros. Somos diferentes em tamanho territorial, mas similares em inovação e criatividade.

Rafael Eldad
Embaixador de Israel no Brasil

Você tem interesse em receber mais conteúdo de negócios?