Bolsas europeias operam majoritariamente em queda com balanços, cobre e Fed

Às 8h (de Brasília), a Bolsa de Londres recuava 0,12%, Paris subia 0,15% e Frankfurt caía 0,07%

As bolsas europeias operam sem direção única nesta quinta-feira (23), com investidores digerindo uma série de balanços corporativos, o recuo nos preços do cobre e a ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), publicada ontem.

Às 8h (de Brasília), a Bolsa de Londres recuava 0,12%, Paris subia 0,15% e Frankfurt caía 0,07%. A Bolsa de Milão recua 0,05% Madri avançava 0,32% e Lisboa perdia 0,20%.

Entre os principais balanços, a Glencore voltou ao azul no ano passado, graças a uma forte recuperação dos preços das commodities. Em 2016, a mineradora teve lucro líquido de US$ 1,4 bilhão, revertendo prejuízo de US$ 4,9 bilhões do ano anterior. A ação da mineradora subia mais de 2,70% perto do horário citado mas não refletia o sentimento nas demais empresas do setor, que recuavam juntamente com o desempenho de metais básicos como o cobre. 

Outro segmento que tem se beneficiado é o de telecomunicações. A operadora espanhola Telefónica divulgou hoje que teve lucro líquido de 145 milhões de euros (US$ 153 milhões) no quarto trimestre de 2016, revertendo prejuízo de 2,2 bilhões de euros registrado em igual período do ano anterior, quando o resultado foi pressionado por custos de reestruturação. O papel da empresa avançava quase 3%.

Entre os bancos, o Barclays anunciou um lucro menor que o esperado para 2016, mas suas ações tinham alta de 2,04% após a instituição registrar alta nos níveis de capital ao passo que se aproxima de um grande programa de reestruturação.

Na agenda, o destaque foram os dados alemães. O Produto Interno Bruto (PIB) no quarto trimestre cresceu 0,4% ante os três meses anteriores e registrou expansão de 1,7% na comparação anual. Já o índice de confiança do consumidor alemão caiu para 10,0 na pesquisa para março do instituto GfK, de 10,2 na leitura de fevereiro. Ambos os dados vieram em linha com as expectativas.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios